Renato Mauricio Prado

Jornalista Renato Maurício Prado está com 64 anos (Divulgação)

LANCE!
11/06/2021
13:10
Rio de Janeiro (RJ)

O desacordo entre o atacante Gabigol e o Flamengo segue chamando a atenção dos torcedores nas redes sociais. O jogador, que deveria ter se apresentado ao elenco rubro-negro após convocação da Seleção, teria desrespeitado o pedido do clube onde atua. Para o jornalista Renato Maurício Prado, o Flamengo acaba atingindo Gabi ao atacar a Confederação Brasileira de Futebol. 

+ TABELA: Confira os resultado dos jogos desta semana na Copa do Brasil

+ Começou o Brasileirão! Conheça o aplicativo de resultados do LANCE!

- Trafega entre a insanidade e a estupidez a forma como o Flamengo resolveu tratar a "insubordinação" de Gabigol que, escorado num diagnóstico de edema muscular, dado pelos médicos da CBF, resolveu não ir a Curitiba, onde o Rubro-Regro enfrentou e venceu o Coritiba, no jogo de ida da terceira fase da Copa do Brasil - iniciou ele. Com gol de Rodrigo Muniz, o Mengão sai na frente no jogo de ida.

+ Arboleda em festa clandestina: veja atletas que aprontaram na quarentena

- Diante do absurdo que foi postar no Twitter oficial do clube uma cobrança pública a Gabriel, qualquer raciocínio estapafúrdio como esse é justificável. Em tempo: concordo que o goleador deveria ter se apresentado, como fez Éverton Ribeiro, que inclusive participou da partida. Tem razão o Flamengo de não ficar satisfeito com a insubordinação. Gabigol ficou em São Paulo. Mas daí a tornar o assunto quase um escândalo, lavando a roupa suja no território sem lei que é o Twitter? O que pretendia com isso? Criar uma crise que pode acabar causando até num mal-estar definitivo entre o clube e o atleta? Quanta falta de sensibilidade - analisou.

Para ele, existe um desentendimento entre CRF e CBF. Com o alto número de convocados, o Flamengo sofreria com menos astros no elenco com a ida de seus jogadores às seleções. O Flamengo ainda tenta a paralisação do Brasileirão durante a Copa América. RMP não vê a situação como anormal para os dirigentes do clube: "São arrogantes e insensíveis. E, por causa disso, muitas vezes, estúpidos. Como neste caso com Gabigol. Espantado? Não, não estou".