Mariana Becker

Aos 49 anos, Mariana Becker está de 'casa nova': 'Adorei a ideia de continuar a cobrir a F1 e em um ritmo ainda mais acelerado'  (Divulgação/Vira Comunicação)

Rodrigo Portella*
16/02/2021
11:14
São Paulo (SP)

Mariana Becker deixou a Globo, mas não estará fora da TV em 2021. Poucos dias após sair da emissora, ela é a nova cara da Band para a transmissão da temporada 2021 da Fórmula 1. A jornalista abriu o jogo ao LANCE! sobre sua saída do canal onde passou anos, revelou novidades para a exibição da principal competição automobilística e falou de parceiros como Reginaldo Leme, Datena e Neto.

+ Confira a tabela do Brasileirão e simule as próximas partidas 

+ Mariana Becker, Datena e Neto juntos? Veja o que se sabe sobre F1 na Band

Com 25 anos de casa, Mariana Becker marcou uma geração de amantes das pistas nas transmissões da F1. Após os desacordos da emissora com os direitos de exibição da categoria, ela deixou o canal e conta que seu principal sentimento pela Globo. Além disso, Mari explicou que sua saída foi exclusivamente pela ausência da Fórmula 1.

- Foi onde eu aprendi a ser repórter de TV.  O sentimento que fica é de um respeito pelo trabalho que eles fazem, pelos meus colegas e caras com quem eu aprendi tudo o que sei até hoje. Com a não renovação dos direitos de transmissão da Fórmula 1, a nossa parceria foi desfeita.

"Será uma fusão entre o jeito que acostumamos a fazer TV, a linguagem da Band e mais tempo  com informações para quem já gosta"

 
FRIO NA BARRIGA DE UMA VETERANA

Agora na Band, ela retorna para onde esteve em 1993, em seu início de carreira em Porto Alegre. Reconhecendo que será um desafio se reinventar aos 49 anos de idade, ela contou como foi sua negociação com a emissora e revelou que sua participação na Band será muito mais abrangente e frequente do que na Globo.

- Eu adorei a ideia de continuar a cobrir a F1 e em um ritmo ainda mais acelerado. Tudo o que é novo me estimula, casa nova, gente nova, novo jeito de trabalhar. Vamos ver como vai ficar a nossa mistura. Não precisou de muita negociação, acho que os dois lados estavam contentes com a ideia de trabalhar juntos - confessou ela ao L!, que comparou:

- É um pouco como mudar de país, dá um frio na barriga e ao mesmo tempo uma curiosidade imensa. Nunca tive problemas em viajar, como você deve imaginar.

 NOVIDADES CONFIRMADAS
Por enquanto, a Band ainda não reconhece  e não confirma muitas novidades que deverão surgir na temporada 2021 da F1. Longe de Galvão Bueno e da Globo, Mariana agora terá outras funções. Ela revelou que poderá estar mais próxima da juventude da categoria, mostrando como se formam os esportistas, e explicou como será seu trabalho jornalístico.

- Como eu estou aqui longe (Mariana mora em Monaco), não tenho ouvidos na "rádio corredor" que sempre é uma boa central de boatos em qualquer empresa. Só posso garantir que vou trabalhar com o Reginaldo Leme. O que sei é que teremos bastante espaço para explorar a cobertura da F1 e a Band ainda abraçará a F3 e a F2, ou seja, nós vamos poder ver mais ou menos como são formados os pilotos e quem eles são. 

IMAGINA COMO SERIA...

Se, por um lado, a Band ainda não confirma nenhum nome para as cabines de transmissão, a internet não perdoa: dois personagens do esporte da Band, os apresentadores Neto e Datena, foram especulados na atração. Para Mariana, a dupla poderá participar e terão portas abertas.

- Eles são muito engraçados. Ainda não os conheço muito bem, não sei se o Neto gosta de F1, mas o Datena tá atento ao que acontece por lá. Quando entrei ao vivo no programa dele, me fez perguntas bem específicas

Na antiga emissora, Mariana era aproveitada mais em dias de GP. Especialista nos bastidores da F1, a jornalista complementava a transmissão com entrevistas junto aos pilotos e contava como era o clima entre os mandatários. Mais experiente, Mariana acredita que será mais divertido estar também na cobertura de categorias iniciais da F1.

Mariana Becker
Mariana passou 25 anos na Globo (Imagem: Reprodução/TV Globo)


COMENTARISTAS CONHECIDOS, MAS COM UM NOVO ROSTO
Em 2021, ela espera que o público apaixonado pelas pistas sinta a diferença na atenção ao automobilismo na televisão brasileira. Mariana contou que os torcedores brasileiros terão mais conteúdo com a Band e não deverão sentir alterações drásticas na forma de informar por contar com outra estrela da Globo ao seu lado.
 
- Acho que vai ser uma mudança suave, já que pelo menos duas figuras que os espectadores estavam acostumados a ver, dando as notícias, vão ser os mesmos. Reginaldo Leme e eu. Acho que vai rolar uma fusão entre o jeito que estávamos acostumados a fazer televisão, a linguagem da Band e o fato de termos um tempo grande para preencher com informações para quem já gosta do esporte ou está se aproximando para ver qual é. Vai ser um desafio dos bons!
 
Reginaldo Leme é um dos maiores jornalistas ligados ao contexto esportivo das pistas. Conhecido por ser um dos grandes responsáveis por aproximar o Brasil da F1, ele deixou a Globo em 2019, antes mesmo dos desacordos pela transmissão. Embora Reginaldo e Mariana se conheçam e estarão juntos, ela diz que tomou a decisão de ir para o canal sem consultar o amigo.
 
- Este tipo de decisão tão profunda é importante que eu resolva primeiro em casa, dentro de mim. Sempre fui desse jeito. Reginaldo tem uma história de pista admirável. É uma delícia de pessoa e sempre nos demos muito bem, desde o princípio. É um cara de conversas infindáveis, daquelas de fechar restaurante - comentou a jornalista, que recordou histórias.

AO LADO DO PARCEIRO
- Nós dois tínhamos uma tradição: ao fim de todos os trabalhos no domingo de GP em Monza, passávamos no bar do autódromo, do lado da pista, à caminho do TV Compound e tomávamos uma cervejinha para descomprimir enquanto víamos tudo sendo desmontado - revelou ela.

Mariana acertou sua volta à TV pouco tempo após anunciar sua saída. A F1 retorna para a temporada de 2021 em 28 de março e terá astros como Lewis Hamilton, da Mercedes, e Fernando Alonso, da Alpine Renault. Veja o que se sabe até agora da transmissão da Band.

* sob supervisão de Ricardo Guimarães