Em 2005 o duelo foi na Alemanha e pelas semifinais da Copa das Confederações. Brilhou a estrela de Adriano Imperador, que marcou duas vezes e ainda sofreu pênalti convertido por Ronaldinho Gaúcho: Brasil 3 a 2 e finalista.

Adriano Imperador participou da Copa do Mundo de 2006 com o Brasil (Reprodução)

LANCE!
26/04/2022
18:49
Rio de Janeiro (RJ)

Adriano foi um jogador acima da média, mas não conseguiu ser protagonista pelo tempo que muitos gostariam. Durante entrevista para a TNT Sports, o Imperador falou sobre a época de atleta e comentou sobre as expectativas que existiam em cima de sua carreira. 

Adriano afirmou que poderia ter jogado mais tempo, mas ressaltou que muitas vezes isso não é uma escolha do atleta. 

- Eu penso que, realmente, poderia ter jogado mais. Mas a gente não tem como escolher. Óbvio que a imprensa queria que eu e Ronaldinho pudéssemos jogar mais. Mas, de repente, a gente sabia que não dava mais para continuar. Às vezes a imprensa fica mais no nosso pé por isso: "Ah, por que não jogaram mais? Poderiam ter vencido muito mais na vida" - disse Adriano. 

O ex-jogador também disse que, tanto ele, quanto Ronaldinho, tiveram motivos para abandonar o futebol. 

- Tanto eu como ele tivemos uma escolha de vida, porque não é fácil parar de jogar. É uma coisa que amamos desde pequeno, quando você vê que chegou a hora de pendurar a chuteira, é complicado para a gente também. Ele teve o motivo dele, eu tive o meu e tivemos que abandonar - concluiu o ex-jogador. 

Adriano começou sua carreira nas categorias de base do Flamengo. Em 2001, foi vendido para Inter de Milão e apelidado de "Imperador" pelos italianos. Atuou anos na Europa, participou da Copa do Mundo pelo Brasil em 2006 e retornou ao futebol brasileiro para jogar no São Paulo. Em 2009, voltou ao Flamengo e conquistou o título do Campeonato Brasileiro pelo clube que o revelou.

Chegou a quase ser convocado para a Copa do Mundo de 2010, mas Dunga optou por não convocá-lo. Depois, não conseguiu obter sequência nos outros clubes que atuou e acabou se desligando do futebol em 2016. Apesar de ter parado cedo, Adriano é idolatrado por sua personalidade simples e elogiado pelo que fazia dentro de campo.