Mário Bittencourt - Fluminense

Mário Bittencourt respondeu a todas as perguntas dos jornalistas presentes (Foto: Lucas Merçon/Fluminense)

LANCE!
02/08/2019
18:44
Rio de Janeiro (RJ)

O presidente Mário Bittencourt explicou, revelou e esclareceu diversos assuntos, seja novos ou antigos, em relação ao Fluminense. A começar, o mandatário falou sobre a venda do meia Leandro Spadacio, jogador de 19 anos, que fechou com o Shabab Al Ahli, dos Emirados Árabes Unidos, sem sequer ter estreado nos profissionais.

- Esse atleta, especificamente, já havia subido para o profissional duas vezes, sendo treinado pelo Abel Braga e pelo Marcelo Oliveira. É de qualidade, mas não conseguiu performar no profissional e desceu para a base. Esteve em um período de treinos com Diniz e também não foi aproveitado. E foi, neste momento, superado por atletas mais jovens. Chegou uma proposta do mundo árabe para comprar 70% dos direitos e o Fluminense ficar com 30%.

No embalo sobre saídas, Mário Bittencourt também deu detalhes sobre Luciano, que foi apresentado nesta sexta-feira, pelo Grêmio. O presidente revelou que o Fluminense recebeu um valor superior ao que estava previsto na cláusula de vitrine.

- O Fluminense tinha uma opção de compra com o Leganés, que poderia ser exercida até o final do ano. Dificilmente iríamos conseguir chegar aos valores. Temos dificuldade de comprar. Nosso elenco é composto por 95% de emprestados. Ele recebeu uma proposta, nos comunicou e a gente autorizou a abrir negociação. A gente tinha a taxa de vitrine 20%, mas o Leganés não queria nos pagar. Chegamos a um denominador comum e o Grêmio nos pagou um valor a mais do que a gente tinha direito. Chegou a uns 30%.

Sobre contratações, o mandatário informou que o Fluminense está próximo de fechar com dois jogadores. O desfecho, segundo Mário Bittencourt, pode acontecer até o fim de semana.

- Estamos caminhando para duas possibilidades que estão próximas de acontecer. Preferia que pudessem bater esse papo com o Celso e o Angioni, pessoas do futebol. Nossa ideia é acertar essas duas contratações e fechar o grupo até o fim do ano. Possivelmente vamos concluir duas situações no fim de semana agora.

Velhos questionamentos

Além dos assuntos mais quentes, Mário Bittencourt também foi questionado sobre situações mais antigas, que pautam as entrevistas antes mesmo do advogado se tornar presidente do Fluminense. A começar pelo sonho em repatriar o atacante Fred, possibilidade que o dirigente admitiu tentar no início do ano que vem.

- Temos uma relação muito boa. Ela se construiu aqui no Fluminense. Eu fui o responsável pela renovação dele em 2015. Infelizmente ele saiu daqui de maneira ruim. Respeito o contrato dele com o Cruzeiro. Se for possível dele voltar em janeiro, faremos de tudo para repatria-lo, claro negociando com o Cruzeiro, clube que eu possuo uma grande relação, mas terá de ser dentro das nossas condições. Faremos de tudo para tê-lo aqui.

O momento do técnico Fernando Diniz também foi colocado em pauta. O mandatário ponderou que a diretoria entregou recentemente reforços ao treinador, que está sempre em contante avaliação.

- Qualquer profissional está sob avaliação. Seja assessor de imprensa, advogado e treinador. Chegamos aqui a menos de dois meses. Estamos fazendo avaliações desde que a gente chegou. Do time que terminou o Carioca, só um é titular. É um novo time e continua sendo um time em formação. Acabamos de entregar três reforços, que são o Muriel, o Nenê e o Nem. O time está nas quartas de final da Sul-Americana, mas é inegável que estamos mal no Brasileiro. Estamos na zona de rebaixamento, mas quem olha de dentro, vê que o trabalho é realizado de forma correta. O futebol é momento, mas posso dizer que ele está no cargo, sem pressão interna, tendo condições de realizar o trabalho.