Marcão Fluminense

No tempo certo, Marcão recebe mais uma oportunidade comandar o Tricolor (Foto: Daniel Perpetuo/Fluminense)

Joel Silva
22/08/2019
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

Sem Fernando Diniz, o auxiliar técnico Marcão foi o responsável em preparar a equipe para a partida desta quinta-feira, diante do Corinthians, em São Paulo, pelo primeiro jogo das quartas de final da Copa Sul-Americana. Com a chegada de Oswaldo de Oliveira, o interino terá mais um jogo para mostrar o seu valor e, enfim, ser chamado de professor. A bola rola às 21h30, com transmissão em tempo real no site do LANCE!.

Comandar o Fluminense à beira do campo não é novidade para Marcão. Em 2016, o auxiliar técnico foi interino em duas oportunidades. Na primeira, dirigiu a equipe no Carioca em dois jogos, vencendo o Friburguense e o America. Já em novembro, assumiu o time na reta final do Campeonato Brasileiro, após a demissão de Levir Culpi. Em quatro partidas, não venceu, somando duas derrotas, para Ponte Preta e Figueirense, e dois empates, contra Athletico-PR e Internacional. Três anos se passaram e Marcão se capacitou na profissão e se sente preparado para essa nova chance.

- Venho estudando bastante. Estou cursando faculdade de educação física. Tive a oportunidade de assistir alguns jogos na Europa e vou aprendendo e somando algumas coisas. Essa relação com o Thiago Silva, com o Marcelo, diariamente, vai nos capacitando. Vejo jogos o tempo todo, estudo o Campeonato Brasileiro, esquemas táticos, fiz cursos na CBF, tenho a licença A. Me atualizo com tudo que está acontecendo e isso me dá a capacidade de estar aqui novamente, de saber o que os meninos querem, o que a equipe quer e dar esse suporte para a diretoria e para o Oswaldo de Oliveira.

Novamente no Fluminense, Marcão reencontra o técnico Oswaldo de Oliveira, que o comandou em 2001 e 2006. Devido a rotatividade de treinadores, o que é bem comum no futebol brasileiro, o ex-volante teve vários espelhos durante a carreira, mas tem no companheiro de clube, uma de suas maiores inspirações na profissão.

- Foi uma experiência maravilhosa na minha vida. O Oswaldo nos ensinou muita coisa. Quando me perguntam quem foi o melhor treinador que eu tive, o Oswaldo sempre está entre eles. Pessoa fantástica, conhecimento incrível, em termos de grupo, de vestiário. Os meninos vão correr por ele, assim como eu corri. Sidney (Moraes, auxiliar técnico), que jogou comigo, vem com ele e tenho certeza que vai contribuir muito com a gente. Oswaldo tem estrela e o mais breve possível vamos sair dessa situação ruim.

Manter o estilo e o padrão de jogo do antecessor

Apesar dos pitacos de Oswaldo de Oliveira, que acompanhou a última atividade antes do confronto com o Corinthians, Marcão vai ter total autonomia para escalar o Fluminense e montar a estratégia e deixou bem claro que o estilo de Fernando Diniz será mantido.

- Do Diniz, vamos aproveitar tudo. Não tem como tirar o jogo que essa molecada apresentou até agora. A gente vai aproveitar isso e remodelar com que o Oswaldo pensa, para fazer um Fluminense muito vencedor. Eu acredito muito nesse trabalho, nesse projeto que o Fernando começou e a gente vai dar continuidade com Oswaldo de Oliveira.

Nos tempos de jogador, o volante Marcão se notabilizava pelo vigor físico, marcação forte e pela proteção ao sistema defensivo. Como técnico, se mostrou encantado pelo jogo bonito praticado pelo Fluminense, dando a entender que vai dar um pouco mais atenção à defesa, porém sem mudar a essência da equipe

- O jogo em si, do Fluminense, é um jogo extremamente bonito. Passar uma temporada quase toda com 60%, 70% de posse de bola, mais de 600 passes por jogo, 30 finalizações por jogo... Não vamos abrir mão disso e o Oswaldo sabe e já entendeu. Nesse momento precisamos dar um pouco mais de segurança e confiança para os nossos atletas, para a gente dar sequência no decorrer do Campeonato.