Luiza Sá
08/09/2020
16:24
Rio de Janeiro (RJ)

Um dia depois de perder o atacante Evanilson para o Porto (POR), o presidente Mário Bittencourt concedeu entrevista coletiva virtual para, principalmente, explicar os motivos que levaram à saída do jogador. O dirigente enfatizou que, como o atleta pertencia à Tombense (MG), o Fluminense acabou ficando sem ação diante da procura de times europeus pelo destaque da equipe na temporada. O Tricolor ficará apenas com 6% sobre o percentual do clube mineiro em uma eventual venda e perde um titular imediatamente. Criado na base, Evanilson acabou não renovando com o Flu ao final do vínculo passado. Por isso, os cariocas tinham apenas 30% dele.

- Nós ganhamos a eleição no meio de 2019 e esse atleta nunca havia subido para o profissional. Nosso chefe de scout me disse que havia um jogador que a gestão anterior não entendeu em subir e ele entendia que poderia dar resultado. Fui saber quem era. Procuramos ele, que já tinha proposta de clubes do Brasil e de fora para sair quando acabasse o contrato. O empresário disse que ele se sentiu desvalorizado na gestão anterior. Subiram outros jogadores e ele ficou para trás, não tinha interesse em assinar de novo com o Flu. Insisti bastante. Recentemente, o jogador foi procurado por alguns clubes. A principal proposta era do clube inglês, o Crystal Palace. Era verdade que o clube tinha o interesse. Eu pedi que ele ficasse até o final do Campeonato Brasileiro e a Copa do Brasil. Por questões da liga inglesa, a gente conseguiria isso, com a possibilidade de ele não conseguir ser inscrito e ficar ainda mais - disse.

- Mas surgiu uma proposta do Porto. O Porto chegou com valores maiores, e, obviamente, não tínhamos controle sobre isso, fomos apenas informados. Eu fiz o pleito que o jogador ficasse conosco até o fim do Brasileiro. Mas até por um receio de lesão, o clube e o empresário optaram que o atleta fosse agora. Pegamos uma situação praticamente perdida. Não existe renovação automática, os contratos têm prazo determinado. Não estou criticando ninguém, mas se houve alguma falha em relação a isso, houve antes da nossa chegada. Você acha que eu gostaria de perder o meu principal jogador? Eu sou presidente do clube. Mas também sou torcedor. Eu fico triste. Mas é o futebol. Perdemos, mas vamos avaliar se vamos conseguir fazer a reposição no mesmo nível. Certamente, vamos avaliar, quem sabe no mercado sul-americano, para tentarmos fazer essa reposição no mesmo nível. Já começamos a ver algumas coisas - completou.

Depois de acertar renovações como as de Nenê, Wellington Silva e Matheus Ferraz, o Fluminense agora corre para fechar os novos contratos do volante Dodi e do zagueiro Luccas Claro. Mário Bittencourt afirmou que os dois já estão com as propostas nas mãos e devem responder até o final deste mês.

- Na lateral direita nós continuamos com dificuldades no mercado. O mercado sul-americano só abre mais na frente, então não teríamos o jogador agora. Com relação ao Dodi e ao Luccas, já foram feitas propostas para ambos e não houve sequer contraproposta, ambos estão avaliando. A gente faz a proposta para que seja renovado, e o atleta junto com o estafe está avaliando, estamos aguardando resposta. Ambos têm contrato até o final do ano e possuem o direito de responder até o final do ano. Mas acredito que não passe de setembro, dissemos que precisamos de uma resposta, porque, caso optem em não ficar, teríamos que buscar outros jogadores para a posição.

- O Luccas Claro veio da Europa e fez um contrato mais curto porque tinha o interesse em voltar depois. Há uma multa a ser paga, mas só até o final do ano. O representante dele é muito correto, e até o final do mês dará uma resposta. E o Dodi a mesma coisa, um atleta que não vinha tendo um aproveitamento e passou a ter. É um jogador que sempre imaginamos que pudesse ter uma performance. Já vinhamos conversando durante a quarentena. Fizemos uma proposta na época, houve uma resposta, a gente fez uma nova, aí sim depois dos jogos, e essa resposta que estamos esperando até agora. Honestamente, está na mãos dos jogadores e seus representantes.

Veja outras respostas:

MAIS DE EVANILSON

O Evanilson chegou ao Fluminense com 14 anos e fez o primeiro contrato quando fez 16, com duração de 06/10/2015 a 05/10/2018. O primeiro contrato profissional só pode ser assinado por três anos no máximo. Só quando ele faz 18 é que pode assinar um contrato de cinco anos. Em 06/03/2017, portanto, sete meses antes dele completar 18 anos, as pessoas que aqui estavam - e aqui não vai uma crítica, é apenas a constatação de um fato -, assinaram um novo contrato com ele também de três anos que terminava em 29/02/2020. Em outubro de 2017, as pessoas que aqui estavam gerindo a base poderiam, sim, ter assinado um contrato com ele de cinco anos, mas não o fizeram. Porque, quando ele fez 18, poderia ter sido cancelado aquele contrato de três e ter feito um contrato de cinco.

BALANCETE TRIMESTRAL

Estávamos com um problema de sistema que está sendo solucionado. O sistema não vinha sendo pago e precisamos dele. Pagamos a dívida que tinha e acreditamos que dentro de um mês a gente consiga iniciar as publicações.

DANILO BARCELOS

Os nosso critérios são sempre técnicos em todos os sentidos. Jamais vamos deixar de trabalhar tecnicamente em razão de politização de certas situações. Vinhamos buscando um lateral-esquerdo. Infelizmente, todos jogadores que tentamos eram muito caros. Não vou citar valores que pediram para nós. Eram jogadores que custariam o dobro dos nossos atacantes. Um clube que tem uma folha de R$ 3 milhões, não teria como investir isso. O Odair nos trouxe o nome do Danilo Barcellos. Temos uma folha que talvez seja a 13ª ou 14ª folha do Campeonato Brasileiro. O Odair insistiu em ter um atleta diferente. Um atleta diferente do Egídio. Ele queria um atleta com outras funções, para atender outras situações de jogo. Nós fizemos uma proposta financeira idêntica do Cruzeiro. O salário dele é quatro vezes menor que os que tínhamos tentado antes. Se o Fluminense conseguir melhor a proposta no prazo. Então demos um contrato maior para ele. Ele tem uma idade boa para tempo de contrato. Fizemos um contrato de 2 anos e quatro meses de contrato. Ele é um atleta de 29 anos. É um jogador que veio a custo zero.

MARCOS PAULO

O interesse do Marcos Paulo e dos representantes é de sair nesta janela. O jogador tem esse desejo. É importante isso ficar claro. O desejo do atleta é o que prevalece. Eu já disse ao Marcos Paulo e ao staff dele que gostaria que a gente renovasse. Já fiz a proiposta, está nas mãos dele. Confio no atleta. Ele sempre me diz que jamais sairia do Fluminense sem o Fluminense ser recompensado. Eu me formei aqui. Me tornei homem aqui. estamos confiantes. Fizemos uma proposta tentando melhorar o salário dele. Mas não chega nem perto do que um clube médio europeu pode pagar. Essa é uma realidade.

PATROCINADOR

Hoje temos procura de patrocinador master muito abaixo do que vale a camisa do Fluminense. Nos ofereceram proposta para a manga. E essa empresa faz o patrocínio master de outro clube. Eu procurei saber. O que nós temos de manga eles têm de master. As propostas que recebemos, até em razão pelo dificuldade do mercado, são muito abaixo. Não estamos pedindo valores acima do mercado. Estamos dentro do mercado. As propostas são muito abaixo do que valem a nossa propriedade. Nós perdemos 63% de receita na pandemia. Imagino que outras empresas perderam em relação a paralisação do mundo. Na posição que nos encontramos, sempre vai haver critica. Se temos, vai ser pouco. Se o clube não tem, vai ter crítica. Precisamos de um patrocinador que condiz com a camisa do Fluminense. Eu acredito que até o final do ano teremos uma proposta que condiz com o tamanho da camisa do Fluminense.

Mário Bittencourt - Fluminense
(Foto: LUCAS MERÇON / FLUMINENSE F.C.)