Jadson - Coletiva Fluminense

Jadson, durante coletiva no CTPA (Foto: MAILSON SANTANA/FLUMINENSE FC.)

LANCE!
21/11/2018
14:09
Rio de Janeiro (RJ)

O Fluminense vive um momento conturbado dentro e fora de campo atualmente. Sem vencer há cinco jogos, o Tricolor também convive com a falta de pagamento de salários, crise política e o fim da paciência da torcida. Em entrevista coletiva no CT Pedro Antonio, o volante Jadson afirmou que o time já convive com a pressão desde que a temporada iniciou. 

- Pressão maior do que vivemos o ano inteiro é difícil. Desde que o ano começou vivemos uma corda bamba. Tem que ganhar, jogar bem, crise política... Não tem como colocar mais pressão em cima do nosso grupo. Não temos uma situação tão confortável, mas também não é tão delicada. Se está ruim para nós, imagina para os quatro na zona de rebaixamento. Precisamos fazer um bom jogo, transformar em gols as nossas oportunidades, sair de lá tranquilos e focar na Sul-Americana semana que vem - disse.

Na próxima rodada, o Flu encara o Bahia na Fonte Nova, nesta quinta-feira, às 21h. A partida é crucial para acalmar os ânimos. Antes da rodada iniciar, o time de Marcelo Oliveira estava com cinco pontos de distância da zona de rebaixamento.

- Prefiro falar do que eu controlo, que é a parte dentro de campo. Fora, a gente não controla, então não é muito a minha praia. A fase do Fluminense é de dificuldades para conseguir pontos e sair da zona incomoda, como outros que já vivemos, mas vamos superar. Queremos resolver os problemas em campo da melhor forma possível, juntos, dando nosso melhor para ajudar - falou.

Hoje, o Fluminense deve dois meses de CLT e cinco de direitos de imagem aos funcionários. O clube confirmou que houve uma vaquinha para amenizar a situação vivida pelos jogadores. Jadson afirmou que segue feliz no tricolor.

- Já sabia que o Fluminense passava por momentos difíceis quando assinei meu contrato. E estou muito feliz desde que decidi vir para cá. E o planejamento que eu tinha vou manter até o final do meu contrato. Sou atleta do Fluminense, estou disposto a ajudar e vou dar meu melhor.

Um dos maiores problemas do Flu atualmente é o ataque. A equipe não conseguiu marcar gols nos últimos cinco jogos do Brasileirão e, apesar de ter a posse de bola em várias partidas, falha muito na hora de finalizar.

- A gente tem pecado no último terço do campo. Criamos oportunidades, mas não estamos escolhendo a melhor forma de definir. Conversamos e tentamos melhorar as coisas, espero que possamos aparecer melhor naquela parte do campo, não só os atacantes, mas todo time. Vamos tentar jogar bem e conseguir o resultado - completou.