Avaí x Cruzeiro

Robinho tentou, mas não conseguiu conduzir o Cruzeiro à sua primeira vitória em 19 jogos- (Eduardo Valente)

Valinor Conteúdo
11/08/2019
18:09
Belo Horizonte

O Cruzeiro deixou sua torcida mais uma vez insatisfeita ao empatar com o lanterna do Campeonato Brasileiro, Avaí, por 2 a 2, gols de Pedro Castro e Brenner, para os catarinenses, com Pedro Rocha e Sassá marcando para a Raposa. O resultado manteve o time mineiro na zona do rebaixamento, com 11 pontos, na 17ª posição. Os catarinenses continuam como o pior time do Brasileiro, agora com seis pontos em 14 jogos.

A derrota só não aconteceu porque o VAR entrou em ação e acertadamente confirmou o gol de empate, marcado por Sassá, aos 51 minutos do segundo tempo, após o bandeirinha marcar impedimento na jogada.


A tarde da Raposa em Florianópolis demonstrou que o novo técnico do time, Rogério Ceni, terá muito trabalho pela frente. Principalmente na marcação pelas laterais do campo, que foram o ponto mais fraco da equipe. O lado esquerdo, com Egídio, sofreu muito com os avanços do Avaí, sendo responsável por duas falhas diretas que resultaram nos gols avaianos.

Pouca força no ataque, falhas na defesa

Apesar de jogar contra a pior equipe do Brasileirão, o Cruzeiro continuou a cometer os mesmos erros no ataque e na defesa. O time celeste ainda permite que o time adversário entre em sua área sem uma marcação forte, olhando somente a bola, esquecendo-se de observar a movimentação do rival dentro de campo.

No ataque, ainda falta o acerto, uma caprichada no passe final aquele que colocará o companheiro na cara do gol. O time azul errou 13 passes somente no primeiro tempo, contra cinco do Avaí. Esse excessos de falhas na troca de passes vem sendo um dos principais problemas da Raposa nos últimos 20 jogos, que não consegue vencer em sequência.

Gol do Avaí. “Mole da defesa”

Pedro Castro penetrou pelo lado direito do ataque, nas costas de Egídio, que marcou a bola e não o jogador catarinense. Pedro conseguiu ajeitar o corpo e arrematou para o gol, abrindo o placar na Ressacada.
Reação no segundo tempo

O Cruzeiro voltou para aguerrido no segundo tempo, apesar da organização do time ainda está aquém do esperado. A Raposa pressionou o Avaí e por ter mais jogadores de qualidade, ofereceu perigo ao goleiro Vladimir.

Reação no segundo tempo

O Cruzeiro voltou para aguerrido no segundo tempo, apesar da organização do time ainda está aquém do esperado. A Raposa pressionou o Avaí e por ter mais jogadores de qualidade, ofereceu perigo ao goleiro Vladimir.
Pressão boa. Resultado: gol da Raposa

Com a entrada de David, o técnico interino Ricardo Resende arriscou, deixando apenas Henrique como volante,abrindo Marquinhos Gabriel na direita, David, na esquerda e Sassá no comando do ataque. Pedro Rocha ficou livre para flutuar por todas as partes do campo.

O risco calculado deu certo. Marquinhos Gabriel fez boa jogada, limpou, chutou para o gol, a bola tocou na trave e Pedro Rocha estava o no lugar certo para empurrar a bola para o gol avaiano. Fim do jejum de oito jogos sem estufar as redes do adversário.

Pênalti para o Avaí, nova falha de Egídio

O lateral-esquerdo do Cruzeiro não estava em uma tarde feliz. Além de não produzir na parte ofensiva, os dois gols foram na sua zona de marcação. O segundo, após pênalti cometido pelo lateral, demonstrou a fragilidade na marcação que a equipe estava tendo pelo lado esquerdo da sua defesa. Brenner converteu a cobrança e colocou o Avaí de novo na frente.
Edílson prejudica a Raposa

Em reclamação contra o árbitro, o lateral-direito Edílson “coroou” a tarde ruim dos defensores laterais do Cruzeiro em Florianópolis. Retornando ao time após um período parado por uma lesão muscular, Edílson não soube usar sua experiência e deixou a Raposa com uma a menos, ao ser expulso, facilitando a derrota para o lanterna do campeonato, que não havia vencido ninguém no Brasileiro.

Salvo pelo VAR

Nos acréscimos do segundo tempo, Sassá girou em cima da zaga do Avaí, chutou e marcou o gol de empate do Cruzeiro. O bandeirinha marcou impedimento, mas o lance era milimétrico e foi para a análise do VAR. O árbitro de vídeo levou quase cinco minutos para tomar a decisão. No fim das contas, o gol foi confirmado e a Raposa conseguiu evitar outra derrota.

Agenda dos clubes

A Raposa, já com Rogério Ceni no banco de reservas, recebe o Santos no Mineirão, às 16h, no próximo domingo, 18 de agosto. Já o Avaí vai a Chapecó encara a Chapecoense também no domingo, 18, só que às 19h, na Arena Condá. Os dois jogos serão válidos pela 15ª rodada.

FICHA TÉCNICA
AVAÍ 2 x 2 CRUZEIRO
​​Estádio: Ressacada- Florianópolis-(SC)
Data-hora: 11 de agosto de 2019, às 16h(de Brasília)
Árbitro: Paulo Roberto Alves Junior(PR)
Assistentes: Bruno Boschilia e Ivan Carlos Bohn (PR)
Árbitro de vídeo: Adriano Milczvski (PR)
Cartões Amarelos: Robinho, Edílson(CRU), Douglas(AVA)
Cartões Vermelhos: Edílson(CRU), Léo(AVA)
Público e renda: não divulgados

Gols: Pedro Castro, aos 22’-1ºT(1-0), Pedro Rocha, aos 16’-2ºT(1-1), Brenner, aos 28’-2ºT(2-1), Sassá, aos 51’-2T(2-2)

AVAÍ: Vladimir; Léo(Yury, aos 10’-2ºT), Betão, Marquinhos Silva e Paulinho; Richard Franco, Pedro Castro e João Paulo; Lourenço(Caio Paulista, aos 5’-2ºT), Bruno Sávio(Douglas, aos 25’-2ºT) e Brenner. Técnico: Alberto Valentim.

CRUZEIRO: Fábio; Orejuela(Edílson, aos 3’-2ºT), Dedé, Léo e Egídio(Dodô, aos 40’-2ºT); Henrique e Ariel Cabral(David, aos 9’-2ªT); Robinho, Marquinhos Gabriel; Sassá e Pedro Rocha. Técnico:Ricardo Resende(interino).