Ferramenta que fez sucesso na Copa do Mundo será utilizada no Mineirão

O VAR da Conmebol ficou instalado em local diferente do da CBF- Divulgação/CBF

Valinor Conteúdo
05/10/2018
16:47
Belo Horizonte

Após denúncia do jornalista argentino Hernan Castillo, do TNT Sports, de que o o árbitro de vídeo (VAR) não teria sido utilizado pelo árbitro uruguaio Andres Cunha no jogo entre Cruzeiro e Boca Juniors, porque havia uma falha no sistema, as polêmicas do jogo continuam depois que a Raposa foi eliminada pelo Boca da Libertadores.

Vários lances foram questionados pelo Cruzeiro em campo e pediram a ajuda do VAR. Porém, o Cruzeiro admitiu que sabia de uma possível falha no sistema. De acordo com o clube, funcionários da Raposa foram chamados pelos responsáveis pelo VAR e avisados que uma das fases, a da linha de impedimento, não estava funcionando.

O diretor geral do Cruzeiro, Sérgio Nonato, recebeu a informação que a falha não prejudicaria a visualização geral das imagens. Com essa informação, o Cruzeiro não se opôs no uso da ferramenta no jogo.

Procurada pela reportagem, a Minas Arena, administradora do Mineirão, disse que o VAR foi instalado dentro de um container localizado no estacionamento do estádio, a pedido da Conmebol, diferentemente do que ocorreu na Copa do Brasil, quando foi disponibilizada uma sala para os árbitros e o equipamento. Diante disso, a administradora do Mineirão não se responsabiliza por problemas ocorridos.

O sistema não teve qualquer problema na primeira partida contra o Boca e gerou a expulsão polêmica de Dedé; O Cruzeiro não informou se irá tomar alguma providência.