A fechada do Mineirão foi usada para projetar mensagens de apoio à pessoas que precisam se arriscar nesta crise contra a Covid-19

Acordo entre Cruzeiro e Minas Arena está bloqueado no momento pela Justiça-(Divulgação/Mineirão)

Valinor Conteúdo
06/08/2020
15:12
Belo Horizonte

O Cruzeiro sofreu mais um revés judicial. A Raposa teve uma decisão desfavorável na 32ª Vara Cível de Belo Horizonte. Um sentença impediu que a Raposa fizesse a homologação de um acordo entre com Minas Arena, administradora do Mineirão, para pagamento de uma dívida do clube celeste com a gestora do estádio.

O dinheiro que estava depositado em juízo, cerca de R$ 9,8 milhões, foram bloqueados para quitar pendências tributárias com a União. O bloqueio será ainda maior, já que o acordo entre Raposa e Minas Arena previa o pagamento de de valores que chegam a R$ 13,5 milhões.

Os valores bloqueados feitos pela União tem prioridade, pois o Governo Federal ser um credor de primeira ordem, tendo direito de receber antes dos outros credores. A União também fez dois bloqueios de valores de créditos provenientes de duas execuções fiscais. Um no valor de R$ 6.186.618,15 e outro no de R$ 7.488.347,65.

O Cruzeiro tem uma dívida fiscal acima dos R$ 329 milhões e tem recebido ordens de pagamento de varas federais em diferentes ações e cobranças distintas da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional.

A disputa com a Minas Arena data de 2015 , pois o Cruzeiro parou de pagar ao Mineirão taxas referentes ao uso do estádio em seus jogos. A justificativa da Raposa foi que o Atlético-MG não teve cobranças em seu jogo na final da Libertadores de 2013, pois haveria algumas datas durante o ano que estariam reservadas ao Governo de Minas, para uso público.

Após várias audiências, uma decisão judicial obrigou a Raposa a depositar em juízo 25% da renda líquida dos jogos, que chegaram aos atuais R$ 9,8 milhões

O valor total dívida do Cruzeiro com a Minas Arena é de quase R$ 50 milhões, mas um acordo reduziu a pendência para R$ 20 milhões e com o depósito de quase metade do débito, o clube azul teria de arcar com mais R$ 10 milhões, que seriam parcelados, para zerar a pendência.