Valinor Conteúdo
23/08/2020
20:46
Belo Horizonte

O técnico do Cruzeiro, Enderson Moreira, justificou o início claudicante da equipe na Série B do Brasileiro pelo processo de formação do time ainda, com “pagamento” de dívidas herdadas por ele, como a recuperação no Mineiro, a derrota por 2 a 0 no jogo de ida contra o CRB, pela Copa do Brasil.

Outra análise do treinador da Raposa é que, na sua visão, o time fez um bom jogo e o empate fora de casa contra o Confiança-SE não é um demérito e disse que o mau resultado da equipe foi a derrota em casa para a Chapecoense.

-Acho que controlamos o jogo no primeiro tempo. Poderíamos ter feito dois gols e na segunda etapa o adversário baixou suas linhas. Eles fecharam espaços, o campo era mais lento para a troca de passes. Estamos construindo um novo Cruzeiro, pagando dívidas que não foram geradas por nós. São seis pontos a menos, mesmo fazendo dez pontos em quinze, que é uma boa pontuação em termos de classificação. Acho que fizemos um bom primeiro tempo. A Série B é uma competição de resistência, não adianta sair na frente agora. Isso não vai nos garantir o acesso lá na frente, ou a conquista desta competição. Tentamos “pagar” a dívida do Campeonato Mineiro, que estava atrás, e agora tem a Copa do Brasil-disse o treinador da Raposa.

Enderson seguiu explicando o mau jogo da Raposa e fez elogios ao Confiança, afirmando que não é um rival de baixa qualidade, tendo campanhas boas nas divisões e acesso do Brasileiro e na Copa do Nordeste.

-Estamos nos ambientando ainda na Série B. Alguns atletas estão tendo a primeira experiência e se for observar, o grupo do ano passado para este ano mudou muito, com a utilização de muitos jovens. Não é nenhum demérito empatar aqui. O Confiança tem conquistado acessos, feito boas campanhas na Copa do Nordeste, sendo um adversário difícil. O que pode ter saído um pouco do nosso controle foi o resultado do jogo da Chapecoense-explicou.

O cruzeiro não teve uma apresentação boa, se distanciando do G4 da Série B
Cruzeiro ficou no empate pela Série B (Bruno Haddad/Cruzeiro)