Fagner

Fágner concedeu entrevista coletiva antes da partida contra o Coritiba (Rodrigo Coca/Divulgação Corinthians)

Rafael Marson
24/11/2020
14:42
São Paulo (SP)

Na tarde desta terça-feira (24), o lateral-direito Fágner, do Corinthians, concedeu entrevista coletiva no CT Dr. Joaquim Grava, na véspera da partida da 23ª rodada do Campeonato Brasileiro, contra o Coritiba.

Na coletiva, o defensor do Timão falou sobre uma possível volta à Seleção Brasileira, o empate heroico contra o Grêmio e a sua boa atuação contra a equipe de Renato Gaúcho, além da relação com a torcida.
Confira a posição do Timão no Brasileirão 2020.

- Sempre falei, quando todos cogitaram a possibilidade de eu ir para a Seleção, que o meu foco sempre foi o Corinthians. Óbvio que todo jogador sonha em voltar ou ir pela primeira vez, comigo não é diferente. Mas como eu sempre digo, eu tenho que buscar fazer um bom trabalho no clube, ajudando minha equipe. E se acontecer a minha volta para a Seleção, vai ser pelo que eu estiver fazendo dentro do clube. Então eu fico muito tranquilo, buscando a cada dia melhorar para ter essa oportunidade de novo - disse o atleta sobre uma possibilidade de ser chamado para a Copa do Mundo de 2022.

Sobre a celebração no vestiário após o empate contra o Grêmio, ele enfatizou a dedicação do grupo durante os 90 minutos com dois homens a menos.

- Nós ficamos felizes com o desempenho da equipe sabendo das dificuldade do jogo contra o Grêmio. Óbvio que nós gostaríamos da vitória, mas por tudo que aconteceu, nós saímos com a sensação de dever cumprido, por isso aquela reação nos vestiários. Todo mundo saiu no seu limite. Era preciso enaltecer algumas situações que nós tínhamos que enaltecer depois do jogo, que faz parte do dia a dia. - completou o lateral.

Fágner foi um dos destaques do Timão, e se não fosse por uma defesa espetacular do goleiro Vanderlei, em chute dele, o alvinegro poderia sair da Neo Química Arena com os três pontos.

- Fico feliz pela atuação, mas eu acredito que muito se deve aos companheiros, pelo apoio e ajuda. Nós sabemos que o futebol é um esporte coletivo, então quando você vai bem, não é sozinho, você foi com alguém te ajudando. Espero que esse jogo, assim como o do Internacional, sirva de parâmetro para seguir daí para cima, e conseguir as vitórias que nos interessam e ficar mais em cima na tabela - falou o atleta.

Pela entrega e dedicação em campo, ele foi muito elogiado pela torcida. No entanto, há poucos meses atrás, vinha recebendo críticas de parte da torcida e familiares dele receberam ameaças.

- Nós sabemos que hoje em dia, com as redes sociais, as opiniões mudam da noite para o dia, as coisas são muito rápidas e dinâmicas. Mas eu procuro me prender a minha família. Eu sou um cara que sempre me cobrei muito, independente da situação ou momento. Nós somos seres humanos, sabemos que infelizmente vai ter jogo que não vai dar certo, e nesses momentos a minha família sempre esteve do meu lado, assim como nos bons momentos. Hoje, com maturidade, eu procuro me isentar das coisas boas e ruins e manter o equilíbrio. Então é manter o equilíbrio e seguir trabalhando, porque eu sei que se quarta-feira não fizermos um bom jogo de novo, a cobrança já volta - afirmou o jogador.

O Corinthians entra em campo na quarta-feira (25), contra o Coritiba, no Couto Pereira, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro.