Romero

Romero deixa o Corinthians como o estrangeiro que mais vezes vestiu a camisa do clube (Foto: Joca Duarte/PhotoPress)

Yago Rudá
13/07/2019
07:00
São Paulo (SP)

Estrangeiro que mais vezes vestiu a camisa do Corinthians (222 partidas), o paraguaio Ángel Romero faz seu último treino no CT Joaquim Grava neste sábado. Maior artilheiro da história da arena (27 gols), o atacante tem contrato com o Timão até o próximo domingo e se despede dos funcionários do clube neste fim de semana. 

Xodó da torcida, Romero e Corinthians não chegaram a um acordo no fim da última temporada e não houve renovação contratual. Como não poderia contar com o paraguaio para o segundo semestre de 2019, a diretoria do Timão optou por não utilizá-lo em campo no Paulistão, Sul-Americana, Copa do Brasil e Brasileiro.

De lá para cá, Romero treinou normalmente no CT Joaquim Grava ao lado de seus ex-companheiros, mas nem sequer foi relacionado pelo técnico Fábio Carille. Agora, neste fim de semana, chega ao fim a história do atacante no Alvinegro.

Na última sexta, Romero foi até a megaloja do Parque São Jorge e comprou 17 camisas do Timão, provavelmente para presentear amigos e familiares. Nos próximos dias, o jogador entrega as chaves do seu apartamento, na zona leste da capital paulista, e deixa o Brasil.

Ainda não há um destino certo para o paraguaio. Na Argentina, especula-se que o atacante possa ser confirmado como reforço do San Lorenzo. No Paraguai há a esperança de um retorno ao Cerro Porteño, clube que o revelou. O futebol europeu e asiático também surgem como opções viáveis. 

O fato é que Romero faz na manhã deste sábado seu último treino com a camisa do Corinthians. Ainda não se sabe se o paraguaio irá para Itaquera no domingo para acompanhar o duelo contra o CSA, pelo Brasileirão, e se despedir da torcida. 

Contratado em 2014, Romero viveu altos e baixos no Timão. Ora criticado, ora aclamado, o paraguaio deixa o clube com marcas expressivas. Foram quatro títulos (Brasileirão de 2015 e 2017; e Paulistão de 2017 e 2018) e 222 partidas. Além disso, criou identificação com a Fiel por conta de sua entrega dentro de campo e virou um dos símbolos do futebol competitivo do clube.