Andrés Sanchez

Andrés Sanchez, presidente do Corinthians (Foto: Daniel Vorley/AGIF)

Marcio Porto
31/12/2018
06:20
São Paulo (SP)

O primeiro ano da nova administração do presidente Andrés Sanchez chega ao fim com um título (Paulista) e um vice (Copa do Brasil), a escapada do rebaixamento no Brasileiro nas últimas rodadas e uma promessa de campanha não cumprida: a tão sonhada construção do centro de treinamento para as categorias de base do Corinthians.

Em entrevista ao LANCE! publicada no dia 29 de janeiro, cinco dias antes da eleição que o elegeu presidente, Andrés foi enfático ao dizer que a obra sairia do papel em 2018. Ele fez a promessa algumas vezes e ainda pediu para ser cobrado. No entanto, a entrega do CT ainda está distante e precisa de diversas obras, como alojamentos, academia e vestiários.

- Certeza absoluta. Esse pode cravar: esse ano está pronto - disse Andrés, ao ser perguntado se já sabia como iria fazer para acabar as obras do CT.

Com a insistência da reportagem se sairia mesmo este ano, Andrés devolveu:

- Esse pode me cobrar. Pode me chamar de mentiroso. Quando eu estou falando, confirmo para você, eu falo.

Na entrevista, Andrés diz que já havia dinheiro para finalizar as obras e fala na possibilidade de ter a ajuda do ex-atacante Ronaldo Fenômeno na captação de recursos. Andrés e o ídolo corintiano são amigos e, segundo o dirigente, Ronaldo seria uma figura de ajuda na sua gestão.

A parte econômica, no entanto, segue como maior obstáculo do Corinthians para entregar o CT, cuja primeiro projeto tinha previsão de ser finalizado em 2015, na época da gestão de Roberto de Andrade. A dificuldade fez com que, em abril, Andrés estipulasse um novo prazo para entregar as obras: abril de 2019.

Enquanto isso, a base já treina no local onde o Corinthians pretende erguer o moderno CT, ao lado dos campos do CT Joaquim Grava,, dos profissionais. Contêineres são usados como vestiários e há uma cerca de metal que impede a visualização do local da parte de fora. A previsão é de investimento de cerca de R$ 10 milhões na construção do espaço, valor de cuja parte o Timão pretende abater com captação de recursos por meio de lei de incentivo fiscal.

Andrés Sanchez foi eleito em fevereiro para seu terceiro mandato no clube, com duração até outubro de 2020.