Andrés Sanchez

Andrés Sanchez convidou parceiros antigos para novos negócios com o Timão (Foto: Rodrigo Coca/ Ag. Corinthians)

LANCE!
27/08/2020
13:26
São Paulo (SP)

As novas informações sobre o naming rights da Arena Corinthians tem agitado o noticiário do clube nas últimas semanas e o presidente Andrés Sanchez contribui para que isso se torne cada vez mais onipresente na rotina do torcedor corintiano. Nesta quinta-feira, em post no Twitter, ele convidou antigos parceiros do Timão para conversar sobre novos negócios.

Tudo isso porque ultimamente, com as novas especulações sobre quem dará o nome para a Arena, muitas empresas foram cogitadas, inclusive algumas que já patrocinaram a camisa do clube, como a Samsung e Magazine Luiza. Algumas delas, inclusive, aproveitaram a onda para brincar com a torcida alvinegra sobre supostas negociação com o Corinthians para adquirir os naming rights.

Diante disso, Andrés Sanchez convidou essas marcas, que se mostraram saudosistas com o engajamento que o clube traz, para conversar sobre possíveis novos negócios, atiçando ainda mais a imaginação dos corintianos, ansiosos pela conclusão e divulgação dessa "novela" que se arrasta por uma década. Confira o texto do post do mandatário do Timão nesta quinta-feira:​

- Vi que nesses dias muito parceiro antigo se lembrou da força do Corinthians. Alguns viram o noticiário da arena e até curtiram a onda junto. Não fiquem na saudade, é só chegar que tem conversa kkkk - brincou Andrés.

Mais cedo, o presidente corintiano fez outro post enigmático no Twitter, que deixou todos em dúvida se era em referência ao acordo de naming rights ou se a mensagem foi postada por engano na rede social. Veja o que foi dito:

- Parabéns, bem-vinda. Vai Corinthians!

No último domingo, pela mesma rede social, Andrés Sanchez já havia dito que o acordo pelos naming rights da Arena estava próximo de ser concretizado, além de dar a dica de que a tal empresa nunca patrocinou a camisa do Corinthians. Nos bastidores, segundo fontes consultadas pelo LANCE!, o nome da marca é mantido em sigilo, mas o negócio é dado como certo, e giraria em torno de R$ 350 milhões pelo prazo de 20 ou 30 anos de exploração do estádio.