Vinícius Faustini
11/06/2019
14:32
Rio de Janeiro (RJ)

O presidente da Comissão de Arbitragem da Conmebol, Wilson Seneme, não escondeu que a Copa América promete ser desafiadora para os árbitros sul-americanos. Em treinamento para equipes de arbitragem realizado durante a manhã desta terça-feira, no Clube da Aeronáutica, na Barra da Tijuca, o dirigente projetou suas expectativas para o primeiro torneio no qual juízes contarão com o auxílio do árbitro de vídeo (VAR):

- O grupo é muito experiente, já tem boa familiarização com o VAR. Nossa expectativa é de um bom nível de arbitragem. Eu, como treinador destes árbitros, espero que eles possam fazer justiça a todos. Acredito que a decisão tomada para uma seleção tem de valer para todas

Seneme opinou sobre qual é o tempo estimado para o árbitro tomar uma decisão após um lance ser revisto:

- O ideal é que o árbitro possa avaliar de maneira pró-ativa. O tempo vem em segundo lugar. Nosso objetivo é o acerto, corrigindo sua decisão ou não. Isto é um processo de repetição. Não dá para estabelecer um padrão mas, claro, é fundamental que seja o menor tempo possível.

O ex-árbitro revelou que a Comissão de Arbitragem da Conmebol fará palestras para as seleções. E deixará um alerta:

- Nas palestras, daremos a instrução de não pressionar os árbitros. Sujeito a cartão amarelo! É claro que não é nada muito rigoroso, mas os jogadores têm de saber que, nestes momentos,  o árbitro precisa ter concentração. Caso a pressão seja exagerada do atleta ou da comissão técnica, o árbitro pode advertir. 

Aos seus olhos, porém, os jogadores já estão condicionados a mudanças da regra:

- Têm uma inteligência de jogo e se adaptam muito rapidamente. Além disto, muitos já jogaram com a atual tecnologia.

Wilson Seneme também detalhou como funciona o local onde está a equipe de VAR. Segundo ele, tanto o VAR quanto seus assistentes fazem uma avaliação minuciosa: 

- Antes de sugerirem, trabalham ângulos, velocidades, pontos de contato. Veem tanto da forma como aconteceu quanto em "slow motion", até avaliarem a decisão correta para tomar.

De acordo com o presidente da Comissão de Arbitragem da Conmebol, por mais que as rivalidades acirradas marquem a Copa América, os jogadores têm de estar cientes de uma coisa:

- A gente sabe que o futebol sul-americano joga com raça. Mas tem de ser um futebol limpo. Os jogadores precisam manter esta linha de rigor. 

Nesta terça-feira, os árbitros que estão na Copa América fizeram testes em um torneio envolvendo as categorias de base de Bangu, America, Madureira e Portuguesa-RJ.