Daniel Alves - Botafogo

João Vieira, diretor de marketing do Botafogo, ao lado de Daniel Alves (Foto: Divulgação/ Botafogo)

LANCE!
09/07/2019
15:24
Rio de Janeiro (RJ)

Campeão e Melhor Jogador da Copa América, o lateral-direito Daniel Alves participou ontem à noite do programa "Bem Amigos", do canal Sportv. O jogador, que nunca escondeu sua admiração por Zagallo, admitiu que a idolatria parte da necessidade de realçar sempre os grandes nomes da história do esporte brasileiro. Até por isso, o diretor de marketing do Botafogo, João Vieira, entregou uma camisa do Botafogo com o marcante número 13 do Velho Lobo ao capitão da Seleção Brasileira.

– Uma honra estar aqui, no meio de tantos mestres do futebol, meu mestre do jornalismo (Galvão Bueno), um mestre do entretenimento como o (Marcelo) Adnet. Essa homenagem que o Botafogo está fazendo ao Zagallo e ao Dani Alves é muito justa. Estou aqui diante de um dos maiores ganhadores de todos os títulos possíveis do futebol mundial. E a gente está aqui fazendo essa homenagem em nome do Zagallo, que é o maior ganhador do futebol mundial, como jogador e treinador - disse o profissional, antes de entregar a camisa a Daniel Alves.

- O Botafogo se orgulha muito de dar essa camisa para você. O clube se vê muito identificado na sua trajetória, na sua história, como na do Zagallo, que tanto honrou a camisa do clube. São histórias de superação, de muito trabalho, de intensidade, de vitórias, de conquistas, que são exemplo para todos no Brasil, para o futebol brasileiro e mundial. Agradeço a você por esse título e ao Zagallo por tudo que fez. Hoje o Botafogo de Futebol e Regatas está representado aqui por mim e transmito essa homenagem hoje a você, que é também de toda a torcida. E, por favor, pense na proposta. Já está pronta – brincou João Vieira.

Daniel Alves usa a camisa 13 no PSG e Seleção Brasileira justamente para relembrar Zagallo. O jogador tem o costume de mudar a numeração ano após ano para poder homenagear ídolos pessoais. No Barcelona, por exemplo, vestiu as camisas 2, 22 e 6 em alusão a Cafu, Abidal e Xavi, respectivamente. Em 2016, utilizou o número 4 em confronto contra a Argentina nas Eliminatórias devido ao falecimento de Carlos Alberto Torres.