Tite

Tite não chegou a cair com o time, mas comandou a equipe em boa parte da temporada de 2005- Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

Valinor Conteúdo
25/03/2019
17:47
Belo Horizonte

No dia do aniversário do Atlético-MG, que completa 111 anos nesta segunda-feira, 25 de março, o torcedor atleticano ouviu do técnico da Seleção Brasileira, Tite, admitindo que se se pudesse, faria novo trabalho trabalho no Galo, para apagar a má passagem no clube em 2005, ano do rebaixamento alvinegro para a segunda divisão do Brasileiro. Tite não chegou a cair com o clube, mas comandou o time em parte daquele ano fatídico para o Galo.

-Eu tenho, na minha carreira, não sei quantas equipes, mas talvez mais de 1200 jogos. Se eu tivesse que dizer um local para voltar e refazer um trabalho porque tu não fez ele tal qual o teu íntimo gostaria de ter feito, é o Atlético. A esse mesmo Atlético, o meu reconhecimento, o meu respeito. As pessoas com quem trabalhei no Atlético foram do mais alto nível, me faz ter um respeito e um carinho muito grande. Que o Levir seja muito feliz no seu trabalho. O Domênico (Bhering, diretor de comunicação) foi uma pessoa extraordinária com quem tive oportunidade de trabalhar- disse Tite, em entrevista coletiva antes do jogo contra a República Tcheca.

Tite esteve à frente do Galo em apenas 21 jogos, conseguindo quatro vitórias, seis empates e 11 derrotas. A performance levou o treinador à demissão, sendo trocado por Lori Sandri, que não evitou a queda atleticana à Série B de 2006.

-Não tive aquilo que gostaria de ter. Não estou falando de título. Estou falando de sequência de trabalho, de condução de trabalho, de processo. Não estou falando de resultado final. Para mim, tem certos trabalhos que valem mais que um título que conquistei, pela dimensão que ele foi desenvolvido. Se tivesse algum local, seria o Atlético. Têm o meu respeito as pessoas, o clube, a entidade. O meu abraço ao Levir, externado ao Atlético como um todo- explicou Tite.