Rodrigo

Zagueiro Rodrigo ironizou saída de Fred, seu desafeto, do Fluminense (Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br)

Hugo Mirandela
09/06/2016
18:12
Rio de Janeiro (RJ)

A fase do Vasco é excelente, o time não perde há 34 jogos e está perto de igualar uma marca histórica de invencibilidade do clube. No entanto, o zagueiro Rodrigo entrou na sala de imprensa em São Januário, na tarde desta quinta-feira, dizendo que não estava bem e que o dia era ruim. Porém, o sorriso debochado no rosto logo denunciou que era mais uma das provocações do defensor, ironizando a saída do atacante Fred, seu desafeto, do Fluminense.

- Hoje não estou legal, não. Estou meio triste com a saída dele (Fred). Quem sabe ano que vem eu possa enfrentá-lo de novo - debochou o capitão vascaíno, que já se desentendeu com Fred em alguns jogos contra o Tricolor.

O zagueiro também comentou a falta que Nenê fará na partida contra o Atlético-GO, neste sábado, já que está suspenso pelo terceiro cartão amarelo que tomou na partida contra o Joinville. Rodrigo admite que o Vasco perde sem o seu camisa 10, mas acredita que quem entrar dará conta do recado, como já aconteceu com a saída de outros jogadores importantes do time.

- A gente perde individualmente. Mas a gente já teve ausências e acabou dando conta do recado. É um jogador que vem jogando há muito tempo. Ali no vestiário a comissão técnica já vinha estudando uma forma de poupar o Nenê e isso veio que de forma forçada. É claro que ele queria jogar essa partida, que é importante, mas quem entrar no lugar dele vai ter que dar conta do recado - disse o Zagueiro.

Rodrigo disse que o jogo contra o time goiano é muito importante para os objetivos do Vasco na Série B do Brasileiro. Para o zagueiro, é a chance que o Cruz-Maltino tem para abrir também uma boa vantagem do segundo colocado.

- Quando começou o campeonato nossa meta era ter o maior número de pontos em relação ao quinto colocado. Temos uma gordura e agora temos um jogo de seis pontos. É a chance de abrir uma vantagem e isso seria o ideal. Além dos números de invencibilidade envolvidos, esse é nosso objetivo.

O capitão do Vasco contou que o assunto invencibilidade acaba sempre surgindo no vestiário. Segundo ele, é a oportunidade de os jogadores marcarem seu nome na história do clube.

- A gente comenta, não tem como. Apesar de todo o acontecido no ano passado, às vezes o mal vem para o bem. O clube se acertou. Fora de campo também. Nós temos uma carreira muito curta. Às vezes, você se destaca individualmente. Mas, hoje, todo mundo tem a chance de marcar a história – afirma.