icons.title signature.placeholder Michel Castellar
28/11/2014
07:00

O cadastramento para a aquisição de um ingresso de provas ou Cerimônias dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio-2016 foi adiada para janeiro de 2015. Ao divulgar os preços das entradas em setembro, o Comitê Organizador informou que neste mês teria início o processo de inscrição.

Mas a burocracia brasileira foi a responsável pelo atraso. Como o LANCE!NET revelou em julho, o Comitê Organizador Rio-2016 e o Comitê Olímpico Internacional (COI) decidiram submeter aos órgãos fiscalizadores brasileiros, nos três níveis de governo, todo o plano de vendas dos ingressos antes de iniciar a sua disponibilidade ao público.

Na ocasião, o comunicado foi feito pelo mandatário do COI, Thomas Bach, a presidente Dilma Rousseff, em encontro ocorrido em Brasília. E, apesar de o plano ter sido enviado em julho aos órgãos, nem todos concluíram a sua análise.

Por da falta de avaliações, o Comitê Rio-2016 e o COI optaram, na manhã de quinta-feira, por adiar o início do cadastramento das pessoas interessadas na aquisição dos ingressos.

O receio por iniciar as vendas antes da concordância dos órgãos fiscalizadores brasileiros é baseado em revéses anteriores ocorridos em grandes eventos. Tanto nos Jogos Pan e Parapan-Americanos Rio-2007 quanto na Copa do Mundo de 2014, a Justiça brasileira ficou abarrotada com processos por causa da vendagem dos tíquetes.