icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
13/07/2014
08:16

Desde a goleada por 7 a 1 sofrida pelo Brasil para a Alemanha, a reestruturação do futebol alemão passou a ser assunto. No Grêmio, porém, já era observada há alguns meses. O presidente Fábio Koff afirma que em um ou dois meses o clube gaúcho irá anunciar um projeto semelhante ao feito pelas federações alemã e russa, com um planejamento de longo prazo.

Koff relatou que vai fazer um anúncio em breve para o público em geral e dará detalhes sobre o que será feito pelo clube gaúcho. O ex-presidente do Clube dos 13 criticou o formato atual do futebol, com jovens saindo muito cedo do Brasil para tentar a vida no futebol europeu.

- Vamos convocar a imprensa em um ou dois meses. Queremos que seja um evento muito grande, talvez o façamos até em um local que possa abrigar a imprensa de fora do estado, vai ser líder no que tange a essas alterações que possam ocorrer. Essas que causam surpresa, que a federação alemã adotou, que a Rússia adotou para a Copa de 2018. Foi um interesse do Grêmio iniciado muito antes da Copa, porque já sabíamos que havia uma defasagem nos clubes do futebol brasileiro - disse Koff.

O presidente gremista valorizou a postura adotada pelos gaúchos, que fizeram uma reestruturação na base e passaram a ter apenas jogadores com mais de 60% dos direitos econômicos nas categorias de base. A figura do investidor também foi destacada. Precisa ser regulamentada, segundo Koff, que tentou fazer isso com o Clube dos 13, enviando um documento para a Casa Civil da Presidência, sem sucesso.

- Hoje o Grêmio tem talvez menos dos 10% de atletas que não são do Grêmio. O resto, são todos do Grêmio. É uma política que implantamos na base também. O Grêmio está atuando de acordo com a legislação, a partir dos 15 anos eles podem assinar contratos profissionais. No Brasil, ocorreu, estamos pagando o preço agora, um processo de africanização. Fiquei 10 anos no Clube dos 13 brigando por alterações de natureza legislativa. Hoje temos a maioria dos investidores como especuladores, não retêm nenhum valor do ganho de capital do investimento que fez. Uma das últimas medidas do Clube dos 13, encaminhei uma minuta, fruto de um estudo feito do jurídico dos clubes, para a Casa Civil, onde definimos o conceito de investior no futebol. Traríamos essa figura para a legislação, determinando a retenção de ganho de capital. Se não tomarmos os cuidados, vamos conviver com esse problema sempre - discorreu o mandatário gremista.

O processo de reestruturação do futebol alemão teve investimentos da federação em centros de treinamentos para as categorias de base, com um planejamento para a formação de jogadores e uma geração de muitos jovens de talento.