icons.title signature.placeholder João Matheus Ferreira
07/11/2014
07:00

A série de entrevistas com os presidenciáveis do Vasco começa nesta sexta-feira. Eduardo Nery, da chapa "Vasco Mais Que Um Gigante", expôs as suas principais propostas em uma entrevista exclusiva ao LANCE!Net e, durante a conversa, demonstrou que pretende levar ao Cruz-Maltino uma gestão moderna com um estilo semelhante ao de uma empresa. A principal proposta é o programa de sócios.

Quando a eleição ainda estava marcada para o dia 6 de agosto, Eduardo Nery foi o último candidato a confirmar participação. De lá para cá, aproveitou o período para se tornar mais conhecido entre os vascaínos e, apesar de morar em Brasília, esteve constantemente no Rio para reuniões.

- Nosso projeto é arrojado e acreditamos que em três anos teremos mais de 100 mil sócios. Será fundamental para a receita e para a reaproximação do torcedor. Os sócios terão tratamento vip. Temos como exemplo o plano do Benfica, que gera R$ 90 milhões anuais. Hoje, o Vasco recebe aproximadamente R$ 3 milhões - disse ao LANCE!Net.

Formado na área de tecnologia da informação, Nery participou da gestão Roberto Dinamite entre 2009 e 2013, quando exerceu o cargo de diretor de relações institucionais. O principal feito foi a participação na negociação com a Caixa.

- Somos pelo bem do Vasco, de forma incondicional, sem qualquer interesse em usar o Vasco para benefício próprio. A história recente demonstra que quando usaram o Vasco desta forma o clube quase faliu - disse, quando perguntado se é situação ou oposição.

ALIANÇA COM JULIO BRANT É ESTUDADA

A aliança com o candidato Julio Brant, da chapa "Sempre Vasco", ainda não está descartada por Eduardo Nery. Apesar de garantir que, hoje, estão sozinhos, o presidenciável também admite que possa haver uma união até a véspera do pleito. O único fator que ainda está embarreirando o acordo é a inclusão de algumas propostas dele no plano da chapa Sempre Vasco.

– Estamos conversando com eles. Eu, pessoalmente, conversei três vezes com o Julio (Brant) na última semana. É um grupo do bem, ele é um cara sério, competente, e com ótimo currículo, principalmente para uma pessoa com 38 anos. Pensamos que algumas propostas nossas deveriam ser incorporadas no plano de gestão deles, por isso, estamos negociando. Mas a resposta do momento é que vamos sozinhos para as urnas – comentou.

BATE-BOLA

Como é a sua relação na rotina do Vasco?
Milito na política do clube há 16 anos, e a minha relação com o Vasco ficou mais próxima em 1998, quando lancei o site “Vasco rumo a Tóquio”. Depois, mudou para “www.vascaonet.com.br” e foi durante cinco anos o principal site sobre o Vasco.

Quais os seus projetos para o futebol do clube?
Estudos de modelos de retenção e desenvolvimento de talentos serão incorporados ao plano de carreira. Como acontece na escola europeia, possibilitando que, em três anos, 40% dos atletas profissionais tenham origem das divisões de base. Além das franquias de escolinhas, a serem implementadas em território nacional, e que serão organizadas de maneira que permita maior formação, controle e retenção dos talentos.

Como você avalia o período de adiamento da eleição, com liminar e brigas judiciais?
Se não existisse o Mensalão, a eleição teria sido em agosto. O adiamento e recadastramento dos sócios tinha o objetivo de tentar evitar que candidatos usassem deste subterfúgio. Mas essa semana o clube informou que sócios em dia poderiam votar, independentemente de recadastramento. Pergunto: Quem investe milhões com o Mensalão vai querer reaver este dinheiro?