icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
11/03/2014
12:58

Uma quantia de R$ 1,5 milhão que deveria ser utilizada pelo Atlético-PR nas obras da Arena da Baixada, que será usada na Copa do Mundo, foi usada para a compra de 50% dos direitos econômicos de Léo junto ao Vitória. De acordo com a Folha de S. Paulo, que teve acesso à movimentação da conta da CAP S/A, empresa criada exclusivamente para a reforma do estádio, o mais atrasado dos que estão no Mundial.

A movimentação aconteceu logo depois do Natal do ano passado, no dia 26 de dezembro. A conta da CAP S/A recebeu R$ 226,4 milhões de dinheiro público atrás de financiamentos do BNDES, que liberou R$ 131,1 milhões, e do governo do Paraná, que emprestou R$ 95,3 milhões. O próprio Furacão investiu R$ 38 milhões.

Desta forma, não fica claro se o clube gastou dinheiro próprio ou público para comprar parte dos direitos econômicos de Léo, atualmente no Flamengo.

Reginaldo Cordeiro, secretário da Copa em Curitiba, e Mário Celso Cunha, coordenador-geral da Copa no Estado do Paraná, foram escutados e ambos desconhecem a transação.