icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
08/04/2014
07:48

Com mais de 100 anos de conquistas, o Botafogo não tem o apelido de Glorioso à toa. Mas uma derrota específica, em 2007 ainda atormenta os botafoguenses. A eliminação na Sul-Americana daquele ano, para o River Plate, foi justamente em Buenos Aires, cidade que a equipe se encontra para o jogo contra o San Lorenzo, nesta quarta-feira, às 22h.

Aquele 4 a 2 no Monumental de Nuñez ficou marcado pelo fato de, em boa parte do tempo, o Alvinegro estar à frente no placar, ter um jogador a mais, mas sofrer o quarto gol aos 47 do segundo tempo – 3 a 2 para o River classificaria o Botafogo, que venceu por 1 a 0 no Rio de Janeiro.

Agora, a competição é diferente e o adversário também, mas uma derrota no Nuevo Gasómetro seria tão traumática quanto. Afinal, antes do tropeço diante do Unión Española, o time precisava de uma vitória simples para garantir a classificação e o primeiro lugar do grupo. Hoje, corre o risco de ser eliminado mesmo com um empate, caso o Independiente del Valle derrote o Unión Española, no Chile, por dois gols de diferença.

No ano seguinte ao revés para o River, o time foi derrotado, também na Argentina e pela Sul-Americana, pelo Estudiantes, por 2 a 0. Não foi um vexame, mas contribuiu para a estatística negativa de 21 anos sem vitórias fora do Brasil. Para quebrar
o tabu, o técnico Eduardo Hungaro sabe o que o time deve fazer.

– A atitude será o componente mais importante na partida. Temos de ter o comportamento de quem vai buscar a classificação, custe o que custar. Mas o Botafogo está preparado para obter a classificação – decretou o treinador alvinegro.

O jogo desta quarta-feira, além de valer uma vaga nas oitavas de final da Libertadores, pode fazer com que o botafoguense não veja as partidas na Argentina como um bicho de sete cabeças. Momento melhor não há!