icons.title signature.placeholder Alexandre Braz e Paulo Victor Reis
04/03/2014
07:02

Aos 23 anos, Helton Leite chegaria ao Botafogo em janeiro como um mero desconhecido, não fosse o fato de ser filho do ex-goleiro João Leite, que fez sucesso no Atlético-MG nos anos 1980. Bem ao estilo mineiro, o jogador natural de Belo Horizonte, aproveitou o mau momento de Renan – até então reserva imediato de Jefferson –, teve as primeiras oportunidades neste início de ano e correspondeu às expectativas da comissão técnica e torcedores.

No ano passado, Helton defendeu o Criciúma, que lhe deu a primeira oportunidade de jogar em um clube da Série A do Campeonato Brasileiro como profissional. No entanto, em Santa Catariana, mesmo tendo jogado, as coisas não saíram conforme o planejado. Apesar de não ter uma explicação pela subida de rendimento logo na chegada ao Botafogo, ele credita o sucesso ao fato de estar mais maduro.

– Para mim, este bom momento aqui é pelo fato de eu estar mais amadurecido. São coisas do futebol. Tudo depende do momento, do nosso amadurecimento. Aqui está sendo tudo muito bom, um casamento perfeito – disse Helton à reportagem do LANCE!Net, na segunda-feira, quando passava o segundo dia de folga na praia ao lado da família.

Feliz com o bom momento que atravessa, Helton reconhece, porém, que tudo no novo clube tem acontecido mais rápido do que esperava. Nos três jogos que fez até aqui – todos pelo Estadual –, o goleiro entrou em campo com a equipe reserva, já que os titulares estão sendo preservados para a Libertadores. Na quinta-feira, contra o Audax, ele pode atuar pela primeira vez na equipe principal, caso Jefferson não retorne da África do Sul, onde está com a Seleção Brasileira, para a disputa de um amistoso.

– Não sei se vou jogar. O Jefferson pode voltar a tempo. Mas se tiver oportunidade, espero dar o meu melhor mais uma vez. Seria a oportunidade da minha vida – disse.