Luan, atacante da Seleção em entrevista coletiva (Foto: Lucas Figueiredo / MoWa Press)

Luan, atacante da Seleção em entrevista coletiva (Foto: Lucas Figueiredo / MoWa Press)

Bruno Cassucci
22/07/2016
16:25
Teresópolis (RJ)

A formação com quatro atacantes testada pelo técnico Rogério Micale pode ser não só uma alternativa utilizada no decorrer dos jogos da Seleção durante as Olimpíadas, mas uma estratégia a ser posta em prática desde o início das partidas. Quem afirma é o atacante Luan, que enfrenta a concorrência de Gabriel Jesus, Gabigol e Neymar.

Segundo o jogador do Grêmio, o Brasil deve encontrar adversários fechados e pode recorrer ao 4-2-4 para achar espaços.

- Micale pode usar isso tanto no início de um jogo, como no decorrer das partidas. Ele que vai decidir - disse o atacante, antes de explicar as vantagens oferecidas pela formação.

- Pelo que a gente tem acompanhado, as outras equipes estão se defendendo bem, fechadinhas lá atrás, a movimentação dos quatro ali na frente pode ser importante para bagunçar a zaga deles e a gente se infiltrar - analisou.

Rogério Micale testou a Seleção no 4-2-4 na quinta-feira e também nesta sexta. Contudo, o mais provável é que adote o 4-3-3, seu esquema predileto, com Luan ficando como opção para o segundo tempo.

Em entrevista coletiva nesta sexta, o gremista também comentou sobre as negociações envolvendo jogadores e admitiu que isso afeta os atletas. Gabigol, Gabriel Jesus, Rodrigo Caio e outros convocados para a Rio-2016 têm seus nomes em destaque na janela de transferência internacional.

- Claro que jogador fica mexido, todos têm sonho de jogar na Europa, mas tentamos focar aqui. Até para não dispersar a concentração. Temos que focar, para não deixar isso atrapalhar - declarou.