Em boa fase, Ganso é o maestro do meio de campo do São Paulo

Última participação de Ganso com a camisa do Brasil foi na Olimpíada de Londres, em 2012 (foto: AFP)

LANCE!
02/06/2016
01:08
São Paulo (SP)

A derrota do São Paulo para o Figueirense foi a última partida de Paulo Henrique Ganso antes de sua apresentação à Seleção Brasileira. O meia foi convocado por Dunga na tarde desta quarta para substituir o lesionado Kaká na preparação para a Copa América Centenário. Ele viajará para os Estados Unidos para se unir à delegação verde e amarela e desfalcará o São Paulo em até seis rodadas do Campeonato Brasileiro. 

Após a partida, Ganso falou sobre o chamado de Dunga. Ele lamentou a lesão do amigo Kaká, mas agradeceu a oportunidade de voltar à Seleção após quatro anos - a última participação de Ganso com a camisa verde e amarela foi na Olimpíada de Londres, em 2012.  Já na principal, o último compromisso foi em fevereiro do mesmo ano, em amistoso contra a Suíça.

- Uma pena da maneira que foi, com a contusão do Kaká. Sou fã incondicional dele, dentro e fora de campo, não queria que fosse assim. Mas é uma oportunidade que está surgindo - afirmou o meia.

Ganso creditou o chamado de Dunga ao trabalho desenvolvido pelo Edgardo Bauza. Em abril, o treinador disse estar incentivando o atleta para que surgisse nova chance com a amarelinha. E ela finalmente chegou. 

- Patón vem me ajustando taticamente, posicionamento, me orientando fora também, tem uma grande parcela de contribuição para que isso possa acontecer, só agradecer a ele por me dar tanta força. Recomeço depois de muito tempo, espero dar minha contribuição à Seleção - acrescentou Ganso, que disse estar mais maduro para aproveitar a oportunidade. 

O destaque no âmbito nacional deve levar a diretoria do São Paulo a renovar o vínculo do atleta. Ganso defende o Tricolor desde setembro de 2012, e seu contrato vai até setembro do ano que vem. Apesar das especulações acerca de outras propostas, o meia deixou claro o desejo de permanecer. O clube tenta desde o início do ano entrar em acordo com o estafe do atleta, que ainda não está enquadrado no teto salarial são-paulino de cerca de R$ 350 mil. 

-  Acredito que devo continuar. Outro dia teve matéria que eu tinha duas propostas. Meu empresário está conversando com o São Paulo, deixar bem claro que está perto de continuar. Até porque tenho até o ano que vem ainda. Então acho que vou ficar - explicou o jogador.