Cesar Vallejo x São Paulo

Ganso enlouqueceu a marcação no jogo de ida da fase preliminar da Libertadores (Foto: Ari Ferreira/Lancepress!)

Bruno Grossi
04/02/2016
01:00
Enviado especial a Trujillo (PER)

Jonathan Calleri marcou golaço por cobertura para garantir ao São Paulo o empate em 1 a 1 com o Cesar Vallejo (PER) no jogo de ida da fase preliminar da Copa Libertadores da América. Mas o grande personagem da noite em Trujillo foi mesmo Paulo Henrique Ganso. E o técnico argentino Edgardo Bauza sabe explicar exatamente as razões para a atuação de destaque do Maestro, que no sábado contra o Red Bull Brasil já havia marcado um gol de cabeça.

- Ganso não me surpreende. Espero dele o que todos vocês esperam. Trabalhando, ele consegue dar o passe que deu hoje (quarta) e marcar o gol que marcou contra o Red Bull Brasil. Ele fez 70 minutos em alto nível, mas depois cansou muito. Falta ritmo, mas ele já começa a se sentir importante. E a equipe se dá conta de quão importante ele é e o quanto a bola precisa passar por ele. Quando aparece seu talento, a equipe faz os gols - elogiou Patón. 

Bauza só não saiu mais satisfeito do estádio Mansiche porque a pontaria da equipe não estava tão afiada. O próprio Ganso foi um dos que perderam oportunidades claras frente a frente com o goleiro Salomón Libman. O treinador acredita que o grande pecado da equipe foi realmente a falta de precisão, nada a ver com a ansiedade pela estreia na Libertadores.

- Sempre vi o São Paulo como protagonista nas partidas. No segundo tempo pedi que a equipe se tranquilizasse e foi assim que conseguimos criar e chegar ao empate. Faltou precisão. Criamos, mas faltou pontaria. Se o problema fosse calma, nem sequer teríamos gerado chances. Oxalá possamos fazer uma grande partida na próxima semana no Pacaembu - disse, antes de prosseguir:

- Depois de um mês de trabalho noto que equipe segue crescendo e isso sim me tranquiliza. Seguimos crescendo desde os primeiros treinos, amistosos e jogos. Há erros, claro, mas muitos mais acertos. Vamos poder trabalhar para seguir crescendo e transformar o time em um rival difícil para os rivais.