Pratto

Pratto pede foco no jogo desta quarta, contra o Fluminense, para aliviar situação (Foto: Marcello Fim/Raw Image)

William Correia
17/10/2017
07:00
São Paulo (SP)

O São Paulo deu um salto na tabela ao vencer o Atlético-PR, no sábado, no Pacaembu, mas a ordem no clube é não se iludir. Os jogadores e até o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva preferem perceber que a distância para a zona de rebaixamento é de só dois pontos, o que significa que a equipe pode voltar ao Z4 em caso de derrota para o Fluminense, nesta quarta-feira, no Maracanã.

- É um salto um pouco ilusório, né? O número de pontos é muito pequeno. Não podemos nos apegar a isso. Temos que manter os pés no chão e saber que, na quarta-feira, temos mais uma decisão. É encarar o jogo de quarta-feira dessa maneira - indicou o capitão Hernanes

- Tem muitos times pertinho. Estava vendo a tabela e estamos numa posição boa, mas dependemos de quarta-feira. Viramos um jogo difícil contra o Atlético-PR, mas temos de vencer o Fluminense, um rival também com problemas. Precisamos de sequência para ficar tranquilos - concordou Pratto.

O São Paulo busca uma sequência de vitórias que não ocorre desde maio, quando venceu Avaí e Palmeiras consecutivamente. A comissão técnica sabe que a tranquilidade para abrir distância das quatro últimas colocações só vira caso a equipe derrote o Fluminense, um rival direto na briga para não jogar a Série B em 2018. E até a diretoria sabe que essa luta não terminará tão cedo para o clube do Morumbi.

- É uma luta que sabemos que vamos encontrar até o fim, só esperamos que ela não tenha uma configuração de ameaça, rebaixamento ou qualquer coisa parecida. Que a gente já esteja livre disso, fora disso. Mas o São Paulo vai continuar lutando, e muito, para ter um 2018 melhor - falou o presidente Leco, otimista.

- A gente acredita, confia. É um time que luta e está mais confiante, com mais possibilidade de enfrentar os seus adversários, e nenhum deles é fácil. A luta é muito árdua, muito grande, mas o São Paulo está, sim, se encaminhando à ascensão para que não sofra mais essa angústia, esse calvário que estamos vivendo - prosseguiu o dirigente.