Polêmico e irreverente, o colombiano Higuita também marcava seus gols

Higuita agora é preparador de goleiros do Al Nassr, da Arábia Saudita (Foto: AFP PHOTO / RAFAEL URZUA)

Bruno Grossi
13/07/2016
10:50
Enviado especial a Medellín (COL)

Não é só o São Paulo que precisa se desdobrar por seus objetivos em Medellín. Pergunte aos jornalistas, brasileiros ou colombianos, o tamanho da dificuldade de encontrar o ex-goleiro René Higuita para uma entrevista sobre o Atlético Nacional (COL) e a Copa Libertadores da América. Difícil como essa tarefa somente a de falar com Denis, titular do Tricolor.

Higuita, hoje com 50 anos, se aposentou em 2010 e agora trabalha como preparador de goleiros do Al Nassr, da Arábia Saudita. E quando se consulta um jornalista de Medellín sobre onde o astro colombiano está a primeira resposta é sobre o país do Oriente Médio. Mas basta uma rápida passada pelo Twitter para perceber que não é bem assim.

Nos últimos dias, Higuita postou vídeos em uma fazenda que possui no departamento de Antiquoia, mesma região de Medellín. Alguns jornalistas sabiam que ex-arqueiro estava de férias na propriedade e repassaram o contato do ídolo com um aviso: "boa sorte". Uma mensagem, duas mensagens, uma ligação não atendida... E nada!

Denis - São Paulo
Denis está no São Paulo desde 2009(Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)

E pergunte a torcedores, também. "René? Está na Arábia, não?", "René está de férias aqui", "Quer falar com René? Não fala com jornalistas há meses. Sempre desaparece". Bom, somente essa busca impossível já renderia uma boa história, principalmente se fosse comentada por Denis. Afinal, pode fazer história em Medellín, onde Higuita é rei, e também se aventura em cobranças de faltas - mesmo que somente em treinamentos. René fez 41 gols na carreira.

Denis não desapareceu. Esteve por mais de uma hora no saguão do hotel tomando café e conversando com um dos jornalistas brasileiros. Mas nada de entrevistas, de relembrar Higuita ou de comentar a renovação de contrato. O camisa 1 do São Paulo quis se preservar em silêncio, argumentando necessidade de foco para a decisão desta quarta-feira, às 21h45.