Luiz Cunha

Luiz Cunha ao lado de Leco e Ataíde Gil Guerrero (FOTO: Divulgação)

Bruno Grossi e Márcio Porto
07/06/2016
11:09
São Paulo (SP) 

Menos de três meses após assumir a diretoria de futebol do São Paulo, Luiz Cunha deixou o cargo. O dirigente tomou a decisão de pedir desligamento já na última quinta-feira, logo após o clube anunciar a contratação do peruano Cristian Cueva, do Toluca. Ele foi contra o alto valor desembolsado pelo negócio: 2,5 milhões de dólares (cerca de R$ 8,8 milhões). A decisão foi comunicada ao presidente Carlos Augusto de Barros e Silva em uma reunião no Morumbi, na última segunda. 

Em conversa com o LANCE!, o agora ex-dirigente declarou que não conseguiu "quebrar algumas barreiras", mas não detalhou ao que se refere: 

- Consegui proceder com algumas mudanças na base e no profissional que geraram títulos inéditos e vitórias significativas, mas algumas barreiras não consegui quebrar. Gostaria de modernizar algumas coisas, mas não consegui. 

O São Paulo emitiu uma nota oficial em seu site com declarações de Cunha em que ele alega 'razões particulares' para deixar a diretoria. No texto, o presidente do Tricolor diz que a participação de Cunha foi "de enorme valia".

Depois de gerir com êxito as categorias de base do clube, Luiz Cunha assumiu a diretoria de futebol no último dia 21 de março, no lugar de Ataíde Gil Guerrero. 
À época, o departamento passava por problemas e o time profissional vivia situação delicada na Copa Libertadores (a equipe acabaria dando a volta por cima e agora está nas semifinais da competição). 

'Algumas barreiras eu não consegui quebrar. Gostaria de modernizar algumas coisas, mas não consegui'

Cunha vinha participando de decisões importantes no Tricolor, em especial a negociação para a renovação de contrato do meia Paulo Henrique Ganso. Ele tratava diretamente com os representantes do jogador e participou da reunião para tratar do assunto na última segunda, em uma churrascaria da zona sul de São Paulo. Após o encontro, ele reuniu-se a portas fechadas com o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva e foi decisivo por sua saída. 

Outra atuação importante de Cunha foi na recuperação do meia Michel Bastos, que no início do ano sofria com críticas da torcida. O apoio que deu ao jogador foi considerado fundamental para a reversão do quadro e os jogadores depositavam muita confiança no dirigente. 

Confira a íntegra da nota oficial do São Paulo: 

"O São Paulo Futebol Clube comunica que Luiz Antonio da Cunha solicitou seu desligamento da diretoria de futebol profissional, em reunião nesta segunda-feira no Morumbi, acertando os termos de sua saída para que possa se dedicar a compromissos pessoais.

"Tive uma conversa franca com o Presidente, expliquei que meu desligamento se dá por razões particulares, e que optava por sair agora porque assim o São Paulo poderá se preparar com tranquilidade para a reta final da Libertadores. Estou muito orgulhoso em ter ajudado o time a chegar nessa fase e desde já fica minha torcida para que alcancemos o tão sonhado tetracampeonato", afirmou Cunha.

Para o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, Cunha foi uma peça fundamental da engrenagem que recolocou o Tricolor na rota das vitórias. "O Luiz foi de enorme valia nessa reconstrução que estamos realizando desde que assumimos a Presidência, e somos todos muito gratos a ele por isso. Desejo que ele siga tendo muito sucesso em seus desafios, porque sucesso é uma palavra que já está incorporada à sua biografia", agradeceu Leco.

O Presidente ressaltou que o processo de reestruturação do futebol do São Paulo, iniciado no começo do ano, continua intacto. "Pilares dessa gestão, tais como o aproveitamento e a integração das categorias de base, o novo sistema de análise de desempenho para avaliação e contratação de jogadores e o apoio da estatística para acompanhar a performance da equipe, foram enormes conquistas do clube que já começam a render os primeiros frutos e certamente serão levadas adiante".