Alexandre Guariglia e Marcio Porto
20/09/2016
07:05
São Paulo (SP)

Em sua apresentação no dia 16 do mês passado, o técnico Ricardo Gomes pediu um mês para dar sua cara ao time do São Paulo. O prazo venceu na semana passada e a esperança é de que agora o time avance nas deficiências identificadas pelo treinador. Até o momento, os números até melhoraram em aspectos importantes, mas os resultados ainda não satisfazem.

O time de Ricardo Gomes, por exemplo, troca mais passes, finaliza um pouco mais e desarma bem mais do que o de Edgardo Bauza, levando em consideração os números do Campeonato Brasileiro. O retrospecto também é melhor: 44,4% em seis jogos (duas vitórias, dois empates e duas derrotas), contra 42,6% do argentino, que comandou o Tricolor em 18 jogos no Nacional (seis vitórias, cinco empates, sete derrotas).

Ricardo ainda está em seu início de trabalho, mas está ciente de que será cobrado por resultados melhores. Contando com os dois jogos sob o comando de André Jardine, técnico do Sub-20, ele tem aproveitamento inferior ao que o time tinha até sua chegada e também por isso ainda não afastou de vez o fantasma do rebaixamento. O Tricolor ocupa a 12 colocação com 34 pontos.

Após um mês, Ricardo já tem definido alguns aspectos, como o esquema tático. O 4-1-4-1, que varia para 4-3-3 e até 4-5-1 dependendo das circunstâncias do jogo está consolidado, na visão do treinador. O time também sofre poucas alterações e, após duas vitórias em casa contra Figueirense e Cruzeiro, ele considerou que estava se aproximando do ritmo de jogo que quer para o time.

Agora, ele terá um desafio que poderá deixá-lo mais pressionado. Na quinta-feira, o Tricolor vai a Caxias do Sul enfrentar o Juventude pelo jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil. A derrota por 2 a 1 no Morumbi no jogo de ida obriga o time a fazer pelo menos dois gols para se classificar. A missão é arriscada. Uma eliminação para o time da Série C contribuiria para a volta de um cenário de crise, que ele conviveu logo na chegada com invasão de torcedores ao CT da Barra Funda.

Passada a tempestade, chegou a hora de ver o que poderá fazer Ricardo com o São Paulo em 2016.

SEM RICARDO GOMES NO BRASILEIRO

Passes certos/jogo 339,8
Finalizações 5
Desarmes 17,8
Lançamentos 43,4
Faltas 14,3
Posse de bola 15’27’’

COM RICARDO GOMES

Passes certos/jogo 358,2
Finalizações 5,3
Desarmes 23,3
Lançamentos 39,3
Faltas 18
Posse de bola 15’15’’