Barcelona x Santos (foto:AFP)

Santos perdeu para o Barcelona por 8 a 0 em amistoso realizado em 2013 (foto:AFP)

Russel Dias
02/04/2016
16:44
Santos (SP)

O Santos sugeriu ao Barcelona (ESP) realizar o segundo amistoso, no dia 26 de janeiro de 2017. A partida é referente aos jogos estipulados em contrato, quando Neymar foi vendido ao clube catalão, em 2013. O primeiro foi realizado no mesmo ano, na Catalunha, e o Peixe foi goleado por 8 a 0.

Como está em contrato que a nova partida deve acontecer até 2018, quando termina o vínculo de Neymar com os espanhóis, o Alvinegro tomou a iniciativa de sugerir uma data. Ainda de acordo com o contrato, o clube da Baixada Santista tem de enviar oito datas para o Barcelona. Se a equipe espanhola não concordar com nenhuma, deve pagar ao Peixe 4,5 milhões de euros (R$ 18 milhões).

Questionado sobre o local do jogo sugerido para 26 de janeiro, o presidente santista, Modesto Roma Júnior afirma:

- Seria na Vila Belmiro. Porque a Vila Belmiro completa 100 anos e é um berço de craques. É a nossa casa. 16 mil pessoas teriam a honra de assistir esse espetáculo - afirma o dirigente ao LANCE!, se referindo à capacidade do estádio, após negar que buscaria palcos maiores.

Já a respeito do fatídico 8 a 0 sofrido no Camp Nou, em Barcelona, Modesto diz que não há como prever o resultado, mas não teme um novo vexame.

- Não garanto nada, pode ser 16 a 0 até. Nós temos um time sério e encararíamos esse jogo com seriedade. Não como brincadeira. Tem que jogar sério! - comenta.

Sobre o interesse do Barcelona jogar em outras datas, noticiado na imprensa espanhola e brasileira, Modesto nega ter recebido uma resposta dos espanhóis.

Nos bastidores, a real intenção dos dirigentes santistas é receber o valor estipulado em contrato. Desde que Modesto Roma Júnior assumiu o Peixe, em 2015, Santos e Barcelona não têm uma boa relação.

Em sua gestão, Modesto entrou com uma demanda arbitral na Fifa para recorrer ao valor recebido na venda de Neymar. O Santos entende, a partir do que foi noticiado, que deveria ter recebido mais do que 17 milhões de euros, já que foi informado que o Barcelona gastou mais para adquirir o atacante da Seleção Brasileira.

Até então, o máximo que o Alvinegro conseguiu foi uma multa aplicada pela Fifa em R$ 280 mil, pois a entidade entendeu que terceiros influenciaram a negociação, o que vai contra o artigo 18 do Regulamento de Transferências de 2008.