Modesto Roma Júnior - Santos

Presidente do Santos bateu o pé e promete dificultar saída (Foto: Pedro Ernesto Guerra Azevedo / Santos FC)

Léo Saueia e Russel Dias
25/02/2016
07:05
São Paulo e Santos (SP)

Apesar de ter admitido publicamente que o centroavante Ricardo Oliveira pediu para ser liberado para acertar com o Beijing Guoan, da China, o presidente Modesto Roma Júnior promete não facilitar a saída de seu principal artilheiro.

Depois de fixar em 12 milhões de euros (aproximadamente R$ 53 milhões) o preço da negociação em conjunto com o Comitê de Gestão do clube, valor bem abaixo que os 50 milhões de euros estipulados em multa contratual, o mandatário santista bate o pé e utiliza de um ditado que lhe é característico para não aceitar quantia menor que o estipulado.

- Nós criaremos barreiras para conter a água e o fogo - limitou-se a dizer o presidente do Peixe. 

Caso não haja tempo para que o negócio seja concretizado, já que a janela de transferências para a China fecha nesta sexta-feira, o dirigente não acredita em "clima ruim" para Ricardo Oliveira no elenco.

- Ricardo é um homem de palavra, digno, nunca vou pensar que ele faria isso (ficaria insatisfeito no elenco). Ele não é um canalha - garantiu.

Entretanto, caso negocie seu camisa 9 e capitão da equipe comandada por Dorival Júnior, Modesto estará indo contra uma afirmação feita durante o lançamento dos uniformes do Santos. Na ocasião, logo após vender Geuvânio, o presidente garantiu que o "balcão de negócios fechou" e que o Peixe não venderia mais nenhum atleta nesta janela.