Leão e Tuca Guimarães foram apresentados pelo presidente Alexandre de Barros (foto: Olga Bagatini)

Leão e Tuca Guimarães foram apresentados pelo presidente Alexandre de Barros (foto: Olga Bagatini)

Olga Bagatini
21/12/2016
14:19
São Paulo (SP)

Vivendo o pior momento de sua história, a Portuguesa contará com um reforço de peso na temporada 2017. Emerson Leão foi apresentado nesta quarta-feira como novo consultor técnico do departamento de futebol do clube. Ausente do mundo do futebol há quatro anos, o ex-goleiro será uma espécie de "braço-direito" do recém-eleito presidente Alexandre de Barros na tentativa de reerguer a Lusa, que figura na Série A2 do Paulista e foi rebaixada à Série D do Brasileiro.

Leão terá a responsabilidade de ajudar a montar o elenco do time do Canindé, sugerindo ou vetando nomes. Além disso, usará os "quase 50 anos de experiência em futebol" para opinar em assuntos dos mais diversos âmbitos ao lado do novo treinador, Tuca Guimarães, também apresentado por Barros. 

- Certo dia, durante uma entrevista, eu disse que estaria disposto a ajudar a Portuguesa a qualquer momento. O presidente inteligentemente me chamou. Será uma responsabilidade muito grande. Não estou acostumado com times de Quarta Divisão, estava acostumado com estrelas, e não teremos estrela aqui. O que teremos é muita vontade e trabalho para reerguer a Portuguesa, para recuperar o tempo em que os clubes vinham buscar as estrelas na Lusa - disse Leão na sala de imprensa do Canindé, tomada por jornalistas e torcedores. 

- Voltei para futebol porque cansado de ouvir slogan "o campeão voltou". Não somos campeões de nada, mas temos essa grande responsabilidade pela frente. Estou me inteirando dos assuntos da Lusa há apenas 48 horas e já percebi que a dificuldade será maior que o esperado - explicou o dirigente.

As dificuldades financeiras são grandes. Um processo trabalhista movido pela advogada Gislaine Nunes e que envolve quatro ex-atletas do clube levou o juiz Maurício Marchetti, da 59ª Vara Trabalhista de São Paulo, a penhorar 100% da renda da Lusa, seja ela de patrocínio, bilheteria ou receita das federações para participar de torneios. Ou seja, cada centavo que entra no caixa do clube é bloqueado, e ele só tem sobrevivido graças à ajuda de "colaboradores".

Ciente do problema, Leão aceitou trabalhar sem receber salário e sem assinar contrato, e está livre para deixar o clube a qualquer momento. 

- Não se assuste com o que eu vou falar, porque é a nossa realidade hoje. Não temos mentira a contar nem dinheiro para começar. Segundo o planejamento, o elenco começa a jogar dia 28, temos que fazer exames médicos, vamos ver o que temos e procurar ajuda. Não queremos que ninguém nos carregue no colo, só que precisamos de honestidade para reconhecer que precisamos de colaboradores. Eu, por ter feito o que fiz no futebol, tenho a segunda maior responsabilidade, só atrás do Tuca - disse Leão, que prometeu que a Lusa só treinará com portões abertos em 2017 e aceitará toda a ajuda possível. 

O novo comandante - que terminou a temporada 2016 no Figueirense após Argel Fucks rumar para o Vitória -, já havia acertado com o Boa Esporte para a disputa da Série B, mas voltou atrás ao receber o convite da Portuguesa.

- Consegui controlar a situação e atender chamado do presidente Alexandre. É uma honra treinar um gigante do futebol brasileiro, ter a oportunidade de escrever uma página na história dessa reconstrução. Não pensei duas vezes em aceitar, também por trabalhar com outro gigante, que é o Leão. Vai agregar muito de todas as formas - avaliou o novo comandante da Lusa. 

Leão e Tuca admitiram que ainda não há um elenco formado, sequer um número de jogadores pretendido para o ano que vem. Além disso, o novo dirigente disse que a Lusa "descumprirá" uma regra da Fifa a fim de ajustar seus bastidores, e não terá os 12 jogadores exigidos no banco de reservas para diminuir os gastos.  

- Não tem pré-temporada fora do nosso CT, não tem dinheiro. Faremos tudo com a simplicidade que podemos agora, o que não significa queda de qualidade. Apenas qualidade com simplicidade - disse o presidente Barros. 

Apesar das dúvidas e dificuldades que enfrentarão em 2017, as chegadas de Leão e Tuca renovam as esperanças da torcida da Portuguesa. No início da apresentação, um representante da organizada Leões da Fabulosa entregou um boné da torcida a Leão e pediu ao dirigente que ele ajudasse a Portuguesa a "voltar para o lugar de onde nunca deveria ter saído". 

- Será um prazer enfrentar esse desafio. Dificílimo, mas vim para ajudar Tuca e dar a ele tempo para pular esses primeiros obstáculos, essas pedras que estão pelo caminho. Se nós tivermos essa base, poderemos adiar que essas pedras enormes nos atinjam até dinamitá-las. E é isso que queremos para a Portuguesa - encerrou o novo consultor de futebol da Lusa.