RADAR/LANCE!
04/11/2016
13:03
Porto Alegre (RS)

O Grêmio garantiu vaga na decisão da Copa do Brasil após empatar sem gols com o Cruzeiro, em Porto Alegre, e decidirá em casa o título contra o Atlético-MG (definição saiu em sorteio na manhã desta sexta). Considerada o "amuleto" do Tricolor gaúcho, Carol Portaluppi, filha do técnico Renato Gaúcho, entrou no gramado a pedido do pai minutos antes do encerramento da partida e o ato foi relatado na súmula pelo árbitro Thiago Duarte Peixoto.

O departamento jurídico do clube projeta que o caso irá a julgamento pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), já que Carol não faz parte da comissão técnica, o que não permitiria sua presença no banco de reservas e no gramado. 

O clube pode ser enquadrado no artigo 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que trata de prevenção e repressão a invasão de campo, ou no 191, sobre “deixar de cumprir, ou dificultar o cumprimento do regulamento, geral ou especial, de competição”. Dessa forma, o Grêmio pode ser punido com perda de mando de campo ou pagamento de multa entre R$ 100 a R$ 100 mil.
Após o apito final, Carol abraçou o pai e comemorou a classificação junto com ele e os jogadores no gramado.

O árbitro da partida mencionou a ocupação na súmula: "Informo que ao final da partida, constatei a presença da Sra Carol Portaluppi dentro do campo de jogo. Cabe salientar, que após o término do jogo, fui informado pelo inspetor da partida, Sr Nelson de Souza Monção e pelo quarto árbitro, Sr Francisco Silva Neto que a referida adentrou as imediações do campo de jogo a poucos segundos do término da partida, chamada pelo seu pai, Sr Renato Portaluppi, técnico da equipe do Grêmio, sentando no banco de reservas. Não havendo tempo hábil para retirá-la pois a partida se encerrou, a mesma adentrou o campo de jogo".