Grêmio x Cruzeiro

Luan disputa jogada com o cruzeirense Ariel Cabral (Foto: Dudu Contursi/Lancepress!)

RADAR/LANCE!
02/11/2016
23:40
Porto Alegre (RS)

No duelo entre os maiores vencedores da Copa do Brasil (tetracampeões) e que valia vaga para a final do torneio nacional, o Grêmio levou a melhor. Atuando em casa e administrando a boa vantagem construída no Mineirão na ida (2 a 0), o time gremista conseguiu segurar o Cruzeiro e a partida terminou 0  a 0. Com isso, mantém vivo o sonho de tornar-se o primeiro pentacampeão e pôr fim ao longo jejum de títulos nacionais (desde a conquista da Copa do BR-2001 que só foi campeão de Estaduais).

O jogo foi de bom nível e leal (nenhum cartão), mas com tensão entre os dois treinadores. Renato Gaúcho e Mano Menezes discutiram em vários lances nos dois tempos. E o cruzeirense reclamou demais de lances que considerava que eram cera dos gaúchos. Já Renato, nos minutos finais contou com o apoio familiar da filha Carol Portaluppi, que ficou no banco tirtando fotos e abraçou o pai coruja após o apito do juiz.

Esta será a oitava final de Copa do Brasil do Grêmio, campeão em 1989, 1994, 1997 e 2001 e vice nos anos de 1991, 1993 e 1995. Nenhum time decidiu mais esta competição do que o Tricolor gaúcho.


O Cruzeiro entrou com uma escalação surpreendente, já que precisava da vitória e ainda assim manteve os atacantes Rafael Sobis e Ábila no banco. Já o Grêmio contava com a volta de Maicon - recuperado da tendinite - no setor de armação e começou muito melhor postado em campo, comandando as ações, nem parecia que era ele que tinha grande vantagem. Douglas centralizava as jogadas  e dava boas assistências. Faltava apenas arrematar mais a gol.  O Cruzeiro, mesmo chegando bem menos, ao menos arriscou chutes a gol, como um de Robinho que obrigou o goleiro Marcelo Grohe a fazer boa defesa, um belo chute de Ariel Cabral que bateu no travessão e uma falta de Willian que passou raspando.

No segundo tempo o Cruzeiro buscando o ataque, deixando espaços. E um ótimo contra-ataque puxado por Pedro Rocha que tocou para Luan, recebeu na frente, dentro da área, tirou a marcação e chutou para defesa fantástica do goleiro Rafael.

Na reta final, Sóbis e Ábila entraram no Cruzeiro, mas nada de gol ou de lances de perigo para o Cruzeiro.  Já o Grêmio reclamou da não marcação de um pênalti de Bruno Rodrigo em cima de Luan e da marcasção de impedimento num gol de Luan aos 43. O atacante estava na mesma linha da zaga. Mas os erros não comprometeram a classificação.

Ônibus apedrejado
O fato lamentável da noite: ao chegar na Arena do Grêmio, o ônibus que levava a delegação do Cruzeiro foi apedrejado. O vidro à esquerda do motorista foi estilhaçado. A direção do Cruzeiro fez boletim de ocorrência relatando a agressão.

PRÓXIMOS JOGOS

O Grêmio volta a atuar na próxima segunda-feira, quando receberá o Sport, às 20h, novamente atuando na Arena, pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro. Já o Cruzeiro, um dia antes, receberá o Fluminense. O duelo será às 17h, no Mineirão.

FICHA TÉCNICA
GRÊMIO 0 X 0 CRUZEIRO
SEMIFINAL DA COPA DO BRASIL - JOGO DE VOLTA
ESTÁDIO:
Arena do Grêmio, Porto Alegre (RS)
DATA-HORA: 2/11/2016 – 21h45 (de Brasília)
ÁRBITRO: Thiago Duarte (SP)
AUXILIARES: Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo (Fifa-SP) e Danilo Ricardo Simon Manis (SP)
PÚBLICO/RENDA:  47.687 pagantes/ R$ 1.708.865,00
CARTÕES AMARELOS: Não houve
CARTÕES VERMELHOS: Não houve
GOL: -

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Edílson, Pedro Geromel, Kannemann e Marcelo Oliveira; Walace, Maicon, Ramiro (Jailson, 28'/2ºT), Pedro Rocha  (Éverton, 12'/2ºT) e Douglas (Rafael Thyere, 46'/2ºT); Luan – TÉCNICO: Renato Portaluppi.

CRUZEIRO: Rafael, Lucas Romero, Léo, Bruno Rodrigo e Edimar; Henrique, Ariel Cabral, Robinho (Ábila, 21'/2ºT) e De Arrascaeta (Rafael Sóbis, 14'/2ºT) ; Alisson e Willian (Alex, 29'/2ºT) – TÉCNICO: Mano Menezes