Léo Pereira Juventus

Léo Ribeiro em comemoração que ficou famosa entre os torcedores nas redes (Foto: Divulgação/Juventus)

LANCE!
27/03/2017
10:15
São Paulo (SP)

O contraste entre a alegria de marcar um gol tão esperado, e a tristeza por agravar a situação de uma equipe com tanta história. Esse foi o sentimento que passou pela cabeça de Léo Ribeiro, meia de 22 anos do Juventus, tradicional equipe da Mooca (SP), na última semana. Autor de um dos gols da vitória por 3 a 1 sobre a Portuguesa na Série A2 do Campeonato Paulista, o jogador vibra, mas também lamenta.

A explicação é simples. O "Dérbi dos Imigrantes", como é conhecida a partida que coloca frente a frente o time nascido na colônia italiana da cidade de São Paulo (Juventus) e a equipe criada pelos portugueses (Lusa), já teve um significado muito maior para os torcedores. De 1930 a 2008, foram 117 jogos, 377 gols, goleadas, dramas, história...

Para Léo, seus 22 anos o impedem de conhecer a fundo a história dos clubes. Na última vez que o Juventus, time de 92 anos, esteve em alta no cenário nacional, o jogador não era nem nascido. Foi em 1983, quando o Moleque Travesso conquistou o título da Taça de Prata, equivalente à Série B do Campeonato Brasileiro. Desde então, recorrentes rebaixamentos estaduais e nacionais tiraram o brilho de uma equipe que conquistou seu apelido, justamente fazendo aquilo que dela se esperava: derrotando gigantes.

- O apelido é uma marca registrada do Juventus. Sei um pouco sobre a história, que o time derrotou um grande time do Corinthians (1930) e foi apelidado assim. É muito triste ver as duas equipes nessa situação. Mas eu acredito muito na força do Juventus e da comunidade da Mooca em reerguer essa equipe e devolvê-la ao lugar que ela merece: o topo - comentou Ribeiro.

A situação da Portuguesa é ainda mais calamitosa. Vice-campeã brasileira (1996), campeã paulista (três vezes), campeã brasileira da Série B (2011)... A galeria de títulos e feitos da Lusa é vasta. Isso, pelo menos, até o rebaixamento no Brasileirão de 2013, que culminou com outras duas quedas consecutivas. Hoje, o time disputa a Série D, sem perspectiva de melhora.

- A situação da Portuguesa entristece quem ama o futebol. Para nós, seria uma alegria sem tamanho disputar um clássico tão bom para o esporte, como o Dérbi dos Imigrantes, na primeira divisão paulista, nacional... Hoje, minha meta é ajudar a devolver o Juventus ao topo. Já será um primeiro passo para resgatar uma história que tanto gostamos de ver no esporte - disse Léo.

Atualmente, o Juventus ocupa a nona colocação na Série A2 do Paulista, com 18 pontos, a apenas seis da zona de classificação à fase final da disputa, que pode devolver o time à primeira divisão do estado. A Lusa, por sua vez, tem 16, e tem brigado com frequência para fugir da zona de rebaixamento.

Apesar do sentimento de tristeza pelo rival, Léo Ribeiro não deixou de vibrar com seu gol. A foto da comemoração, inclusive, estampa as páginas oficiais do clube nas redes sociais, um "clique" marcante para um momento histórico.

- Você nem imagina o quanto eu esperei por esse momento, de marcar meu primeiro gol com essa linda camisa do Juventus. Foi algo maravilhoso. Não consegui me conter na comemoração. Puxei a camisa, gritei, corri... Eu nunca vou esquecer esse dia, pode ter certeza disso - completou.

Há 87 anos, o jornalista esportivo Tomás Mazzoni definiu uma vitória do Juventus sobre o Corinthians como "travessura de um moleque, que ousou vencer um gigante". Quase um século depois, o time da Mooca segue travesso, esperando o momento certo para, quem sabe, voltar a ser gigante.