Tite

Tite fará a 95ª partida de sua terceira passagem pelo Corinthians neste sábado (Foto: Agência Corinthians)

LANCE!
16/04/2016
10:10
São Paulo (SP)

O Corinthians foi o primeiro colocado geral da fase de grupos do Campeonato Paulista e garantiu vaga nas oitavas de final da Copa Libertadores com uma rodada de antecedência. A equipe marcou 33 gols e sofreu apenas 12 nos 20 compromissos oficiais disputados nas duas competições, com 14 vitórias, três empates e apenas três derrotas. Apesar das marcas positivas obtidas até o momento, o técnico Tite enumerou defeitos que o Corinthians ainda precisa corrigir para encarar a fase de mata-mata do Paulistão - o primeiro compromisso é neste sábado, contra o Red Bull, pelas quartas de final -, e da Libertadores, ainda sem adversário definido. 

Entre aspectos emocionais e principalmente técnicos, como manter a segurança defensiva e aumentar o poderio de ataque, o treinador explicou suas motivações para manter o Corinthians em alta tanto no Campeonato Paulista, quanto na Libertadores de 2016.

- Primeiro aspectos emocionais, não deixar que erro de arbitragem, reclamação de torcedor ou erro de companheiro atrapalhe o nível de concentração. Para que haja relação de confiança. No aspecto técnico, de criação, temos oscilado a precisão na finalização. Toda vez que há 40% ou mais de precisão temos feito, e por isso somos o segundo melhor ataque. Se tivesse havido regularidade maior o índice ia melhorar. E a amplitude, em termos técnicos, de alargar o campo. Precisão de finalização, aspecto emocional, auxílio do torcedor, manutenção da segurança defensiva, é isso - disse Tite, citando diversos elementos que ainda vê pendentes no Timão.

A história da precisão na finalização passa muito por um dos jogadores do Corinthians, que é o atacante André. Contratado no início da temporada para substituir Vágner Love, o camisa 9 marcou apenas dois gols em 14 jogos, e já encara um jejum de seis partidas sem balançar as redes. Segundo Tite, o "prazo de validade" de André ainda demora a vencer.

- O André tem seis meses de prazo ainda. Só deu o Vágner Love com nove meses, tal qual uma gestação (risos). A construção de equipe tem que amadurecer, coordenação de movimentos. A gente apressa esse processo, mas é inevitável. Tem tempo. Calma. É um processo natural. O André terá seu momento, e a gente tem que ter calma para que ele possa desenvolver seu potencial. André é criativo, ofensivo, e requer um tempo maior - explicou Tite, bancando a permanência de seu camisa 9 na equipe titular.