Romero marcou dois gols contra o Shakhtar (Foto: Daniel Augusto Jr)

Romero comemora um dos quatro gols marcados em 2016 (Foto: Daniel Augusto Jr)

Gabriel Carneiro e Guilherme Amaro
17/02/2016
07:40
São Paulo (SP)

Aos poucos e sem alarde, Ángel Romero vai se consolidando entre os titulares do Corinthians. Após a saída de Jadson, o atacante paraguaio iniciou esta temporada no time principal e vem surpreendendo o técnico Tite. Em apenas sete jogos em 2015, o jogador já igualou os quatro gols marcados ano passado.

Romero fez dois na Florida Cup contra o Shakhtar Donetsk, salvou o Timão do tropeço na estreia do Campeonato Paulista, contra o XV de Piracicaba, e ainda deixou sua marca diante do Capivariano. No clássico contra o São Paulo, o paraguaio foi poupado e entrou apenas nos minutos finais. Tudo para poder brilhar nesta quarta-feira, às 21h45, no primeiro compromisso na Copa Libertadores da América desta temporada, contra o Cobresal, no Estádio El Cobre.

Com um jeito tímido e um lado bastante familiar fora do campo, Romero pretende surpreender os adversários dentro das quatro linhas e alcançar marcas maiores de gols anotados em um ano. Em sua única entrevista coletiva deste ano no CT Joaquim Grava, o atacante comemorou o simples fato de sua mãe estar no Brasil. Com poucas dificuldades para falar português, ele sabe muito bem uma palavra: saudade. O jogador nunca escondeu que sente falta da sua família que mora no Paraguai. É um Ángel, com perdão do trocadilho com o primeiro nome dele.

– Tenho saudade da minha família. Falei para minha mãe vir me visitar aqui no Brasil. Às vezes, ela não pode, porque tem coisas a fazer no Paraguai. Quando pode, ela vem, faz comida e tudo que um jogador precisa – afirmou Romero, em entrevista coletiva no início deste mês.

Antes da boa fase, entretanto, o atacante teve de passar por dias difíceis no Corinthians. Após chegar em 2014 com grande expectativa, ele passou pelo processo de adaptação ao futebol brasileiro e marcou apenas uma vez. No ano seguinte, já sob o comando de Tite, também não conseguiu se destacar na equipe. Durante esse período, Romero disse que recusou propostas do futebol mexicano e do europeu, mas preferiu permanecer após o apoio da família.

– Ano passado foi um ano difícil, porque eu tinha muita vontade de jogar, mas não tive as oportunidades que eu queria. Meus familiares foram muito importantes e me disseram que eu tinha condições de jogar aqui. Queria continuar porque ainda não tinha feito nada – disse.

Pelo que foi demonstrado neste início de 2016, os familiares de Romero estavam certos. Chegou a hora de brilhar ainda mais, Ángel!