Romero

Paraguaio tem 13 gols marcados pelo Corinthians neste ano: ele é o principal goleador (Foto: Daniel Augusto Jr)

Gabriel Carneiro
16/08/2016
18:47
São Paulo (SP)

Sem vencer há três partidas e fora do G4 do Campeonato Brasileiro após 12 rodadas, o Corinthians vive um momento de instabilidade no Campeonato Brasileiro. Apesar do aproveitamento abaixo do esperado sob o comando de Cristóvão Borges e das expectativas reduzidas por parte da torcida, os jogadores do Timão ainda acreditam em objetivos relevantes no segundo semestre. De acordo com o atacante paraguaio Ángel Romero, a equipe não trabalha tendo o G4 do Brasileirão como meta (e, assim, uma vaga na próxima edição da Copa Libertadores), e sim o título da competição. Será que dá?

- Aqui a gente briga por título, não pelo G4. O Corinthians é um time muito grande para brigar só por G4. Vamos buscar essa vitória no próximo jogo para seguir firme na briga - relatou Romero, que nem chegou a acompanhar o protesto organizado pela torcida no fim da tarde desta segunda-feira, e que rendeu críticas a dirigentes e até jogadores.

- Cara, eu não tinha acompanhado isso (protestos), porque estava no Paraguai com a família. Mas todo mundo está lutando para melhorar. A gente quer ganhar, quer brigar sempre lá em cima. Então vamos trabalhar pra isso. É normal que a torcida fique assim porque a gente não está ganhando, mas o jogo agora é em casa, com a nossa torcida, uma possibilidade muito boa para gente ganhar de novo, estamos precisando ganhar. Então vamos trabalhar bem essa semana, sabemos que será um jogo difícil, como foi contra o Grêmio. É trabalhar e ficar concentrado para esse jogo - disse o artilheiro do Corinthians no ano, com 13 gols marcados.

O problema é que para voltar a vencer e espantar seu maior jejum de vitórias no Brasileirão, os gols precisam sair. Um atacante de ofício já não balança as redes com a camisa do Corinthians há sete jogos, tendo sido o próprio Romero o último jogador a fazer isso, contra o Flamengo, em 3 de julho. 

- Sou consciente de que tenho que fazer gol. Sou atacante, tenho que fazer, mas é um time, não é só atacante, todos estão lutando para melhorar. Eu também fico bravo comigo mesmo. Tinha uma sequência de jogos onde eu fiz gol, então agora tem uma sequência de jejum de gol. Mas a gente tem que trabalhar sempre, continuar trabalhando. Aqui no Corinthians tem que ganhar, jogando bem ou mal, tem que ganhar sempre. É um time muito grande, uma responsabilidade muito grande. Mas a gente vai conseguir dar a volta por cima, temos elenco pra isso e temos um treinador que está trabalhando bem, mas infelizmente não está chegando o resultado - disse o paraguaio.