Elias conversou com o médico e o técnico Tite no treino (Foto: Daniel Augusto Jr)

Elias conversou com o médico Julio Stancati e Tite no treino antes de jogo contra Cobresal (Foto: Daniel Augusto Jr)

LANCE!
23/02/2016
19:19
São Paulo (SP)

O volante Elias teve uma fissura na fíbula da perna esquerda detectada na segunda-feira e terá que ficar até quatro semanas com o local imobilizado. O que causou estranheza foi o fato de ele ter feito uma ressonância magnética apenas 18 dias após sofrer uma pancada durante o jogo contra o Grêmio Osasco Audax, em 4 de fevereiro. De lá para cá, o jogador ainda participou da estreia do Timão na Libertadores, contra o Cobresal.

Por conta disso, o médico do Corinthians, Ivan Grava, concedeu entrevista coletiva nesta terça-feira. O doutor negou que houve um erro do departamento médico, disse que Elias tratou um quadro de erisipela e não soube dizer se volante jogou contra o Cobresal já com a fíbula fissurada ou se a lesão ocorreu depois.

- No jogo contra o Grêmio Osasco Audax ele teve um trauma. Aparentemente, parecia superficial porque ele estava com erisipela. Nós tratamos e ele veio com melhora clínica significativa depois. A gente fez o teste, ele correspondeu bem e colocamos ele no jogo contra o Cobresal. Após a partida, ele sentiu uma dor maior, fizemos os exames e apareceu essa fissura - afirmou Ivan Grava, que ainda tentou explicar por que não realizou exames logo após a partida diante do Grêmio Osasco Audax.

- Se todo jogador que tiver trauma fizer um raio-x, vamos ter que fazer no time inteiro. Como ele teve um quadro na erisipela, foi tratado isso. Depois, estava praticamente sem dor. Quando voltou a dor, a gente fez a ressonância magnética e foi constatada essa fissura. Na nossa avaliação não teve erro porque foi tratada a erisipela, que é um quadro de risco por ser uma infecção. Foi tratado, teve uma melhora clínica e por isso foi liberado. A erisipela acabou escondendo outro problema. O exame poderia não mostrar por causa da infecção. A imagem poderia não ser a real - acrescentou.

Após diversas perguntas, Ivan Grava disse não acreditar que Elias tenha jogado contra o Cobresal já com a fissura. No fim da sua resposta, porém, ele preferiu deixar aberta essa possibilidade.

- Não tem como eu te dizer quando ocorreu. Sei quando foi diagnosticada e quando passou a suspeita clínica de pedir o exame, que foi no sábado após o treino. Ele foi para o treino e saiu depois de alguns minutos com muita dor. O exame foi feito na segunda-feira e constatou a fissura. Eu não acredito que tenha sido antes, senão ele teria a dor que teve sábado. Mas poder, tudo pode - avaliou Ivan Grava.

O técnico Tite também pegou o microfone para comentar a lesão de Elias. O treinador disse que conversou com o volante antes de escalá-lo para o jogo contra o Cobresal.

- O Corinthians não vai pagar o preço da saúde para vencer qualquer jogo, isso é básico. O que teve foi a situação clínica, por parte do técnico teve a busca de um atleta que é de Seleção Brasileira, um dos capitães da equipe, que superou em determinados momentos essa dor. Tanto que participou do treinamento que antecedeu o jogo da Ferroviária. Por parte do departamento médico, do atleta, uma tremenda boa vontade. Ele por vezes superava uma pequena dor para ir aos jogos, foi o que aconteceu contra o Cobresal - afirmou o treinador.

- Eu ouço o atleta. Ele tinha uma dor suportável, nós tínhamos a necessidade, e estou mostrando ao torcedor como ele estava passando por cima da adversidade em um jogo de tamanha importância. Ele se dispôs a essa situação, a passar por cima da dor. Agora, feito o diagnóstico, ninguém vai correr o risco com o atleta - completou Tite.

Com a lesão detectada, Elias perderá no mínimo os próximos três jogos do Corinthians na Libertadores, contra o Santa Fé (COL) e outros dois diante do Cerro Porteño (PAR).

Além de desfalcar o Corinthians, Elias também perderá dois jogos da Seleção Brasileira nas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2018, contra Uruguai e Paraguai, no fim de março.