RADAR / LANCE!
16/05/2016
16:16
Rio de Janeiro (RJ)

A bola começou a rolar no Campeonato Brasileiro, deixando as primeiras impressões da competição aos olhos de torcedores de todos os cantos do país. Para ajudar a traçar um panorama do início de caminhada dos 20 clubes, o LANCE! recorreu a especialistas que detalharam o que mais chamou atenção nesta primeira rodada.

Confira os altos e baixos do começo de Brasileirão, aos olhos dos analistas.


EDUARDO TIRONI

Não há dúvida de que o Palmeiras fez o melhor jogo. A equipe mostrou um bom rendimento, venceu com tranquilidade, e especialmente o Cleiton Xavier reencontrou-se com o seu futebol na goleada sobre o Atlético-PR.

O Botafogo me preocupou. Perdeu para os reservas do São Paulo em casa. Seu ataque é incapaz de transformar o domínio em gol. Para um time que precisa lutar para não cair, é preocupante.

JOÃO CARLOS ASSUMPÇÃO

A atuação do Palmeiras saltou aos olhos, indicando que a equipe de Cuca vem se acertando taticamente. Além do Verdão, o poder de fogo do Santa Cruz, os reservas do São Paulo e o bom rendimento do Corinthians no segundo tempo contra o Grêmio também chamaram atenção. Já o Santos, sem Lucas Lima e Ricardo Oliveira, é fraco e mostra que o Estadual não é uma referência de bom Brasileirão.

Porém, a rodada foi maciçamente marcada por um baixo nível técnico das partidas. O Sport foi um pavor, e o Flamengo, mesmo vencendo, segue abaixo das expectativas. Agora, a atuação que mais assusta é a do Botafogo, que foi muito fraca diante do São Paulo.

CARLOS ALBERTO VIEIRA

O que impressionou no início de Brasileirão foi como boa parte das equipes não é capaz de apresentar um bom futebol. No Beira-Rio, houve um embate entre um Internacional praticamente inofensivo diante de uma Chapecoense que sequer incomodou Alisson. De positivo na equipe catarinense, apenas a defesa do bom goleiro Danilo na cobrança de pênalti de Paulão.

No duelo entre Flamengo e Sport, o jovem Léo Duarte rendeu muito bem ao lado do veterano Juan. Agora, à exceção do gol no início e dos dez minutos finais, o Rubro-Negro quase não ameaçou, e Guerrero segue em um mau futebol. Do lado do Leão, Oswaldo de Oliveira cometeu um erro grosseiro após a expulsão de Rithely: tirou Mark González, que era o jogador que mais incomodava o adversário, para reforçar a defesa, e prejudicou o poder de fogo da sua equipe.

EDUARDO MANSELL

A rodada inaugural do Campeonato Brasileiro trouxe algumas coisas bem óbvias, como a falta de gols. Mas outras chamaram bastante atenção. São Paulo e Atlético-MG, por exemplo, deram demonstrações de força ganhando seus jogos mesmo escalando reservas. Os dois brigarão na quarta pela Libertadores e o perdedor, com o Brasileiro como prioridade, tem tudo para brigar pelo título. O vitorioso também pode, mas vai depender de como tratará a competição se brigar até o fim pelo título continental.

O Palmeiras de Cuca também mostrou que não vai entrar para fazer figuração. Muito pelo contrário. O jogo envolvente, característica marcante dos times dirigidos por esse treinador, pode ser uma das graças do Brasileirão. Quem sabe até mesmo a maior delas.

O Santa Cruz também impressionou. Grafite pode liderar o time a coisas boas. Resta saber como vai se comportar fora do seu caldeirão.

Outra coisa que me chamou atenção é como é gostoso ver o time da Chapecoense jogar. Bem fechado na defesa e saindo em velocidade para o ataque. Tem tudo para ser mais um grande trabalho de Guto Ferreira, que há tempo pede espaço em um clube com reais condições de brigar pelo caneco no cenário nacional. A Chapecoense vai ser forte, ainda mais quando jogar em casa.

Se é bom ver o campeão catarinense jogar, o mesmo não se pode falar do mineiro. O América poderia ter oferecido mais ao Fluminense, que está bem organizado com Levir Culpi e vai dar o que falar no Brasileiro.

Já o Flamengo ganhou, porém, não convenceu. E dessa vez nem dá para acreditar que Muricy Ramalho vai conseguir aquela campanha de 1 a 0 a 1 a 0 enchendo o papo, pois o time não passa confiança. E olha que tem bons valores e pode sonhar bem mais alto. Em tempo, esperava muito mais do Sport.

Por fim, o ataque do Botafogo é outra coisa que não está boa e se ver. O time consegue dominar os adversários, mas não coloca a bola para dentro. Preocupante.