Jair Ventura

Jair Ventura tenta feito inédito na história do clube de General Severiano (Felippe Rocha/Lancepress!)

Felippe Rocha
24/11/2017
13:51
Rio de Janeiro (RJ)

O Botafogo joga contra o Palmeiras, nesta segunda-feira, e tenta voltar a vencer para se colocar mais perto da Copa Libertadores do ano que vem. Os maus resultados recentes resultaram em protestos da torcida, mas o técnico Jair Ventura tenta minimizar a pressão. E utilizou, nesta sexta-feira, uma comparação inusitada.

- A gente fala em obrigação. Você já escalou o Monte Everest? Se você escalá-lo a primeira vez, tem obrigação de chegar no topo? A gente quer muito, mas o Botafogo nunca chegou duas vezes seguidas na Libertadores. Eu nunca fui à Lua... não podemos ter obrigação. Se conseguirmos, faremos história - avisa.

A entrevista do treinador alvinegro foi logo depois do treino, no Estádio Nilton Santos. Bem distante da sede de General Severiano, que vive a véspera da eleição presidencial. Jair acredita que o elenco não está afetado pelo ambiente político desses últimos dias.

- Eu estou completo dez anos de clube e esse ano, a eleição indifere. O futebol está bem blindado nessa situação. Até por estarmos aqui (no Nilton Santos) e a eleição ser lá em General Severiano. Não afetou. Em outros anos, sim, pela proximidade. Esse ano, zero - acredita o treinador que confirmou a ausência de Roger deste jogo e a dúvida sobre Victor Luís, sob quem há imbróglio jurídico.

- Conversei com o Roger agora e queria levá-lo para esse jogo. Mas ele ainda não está na melhor forma. Não viaja. Ficou fora desse jogo. Vamos ver para o outro. Sobre o Victor (Luís), estamos vendo, a diretoria está resolvendo internamente. Vamos ver e depois dou uma posição - completou.