Drussyla - Sesc Flamengo

Drussyla está temporariamente afastada do Sesc RJ Flamengo para cuidar do físico (Foto: Paula Reis/Divulgação)

Web Vôlei
06/01/2021
17:20
Rio de Janeiro

Afastada do Sesc RJ Flamengo temporariamente, para se recondicionar fisicamente, a ponteira Drussyla se pronunciou, nesta quarta-feira, nas suas redes sociais, pela primeira vez. E revelou estar em tratamento contra depressão. Ela nem ficou entre as 12 relacionadas para a primeira partida do ano do time carioca na Superliga Feminina 2020/21, na segunda-feira, na derrota por 3 a 2 para o Sesi Bauru.

- Tem um ano que eu faço tratamento para depressão e ansiedade. Tomo os meus remédios, aprendo a lidar com as minhas impulsividades. Já passei por tanta coisa que eu gostaria compartilhar, mas precisaria de uma estrutura maior para saber dessa parte da minha vida a ajudar muita gente a não desistir dos seus sonhos e dos seus propósitos - revelou.

Havia boatos de que ela teria sido demitida do Sesc RJ, de que já estava em negociação com outros clubes do Brasil e até que pararia de jogar vôlei. Os rumores aumentaram depois que a atleta apagou a biografia do seu perfil no Instagram, na qual constava que era atleta do Sesc RJ Flamengo.

Drussyla, 24 anos, 1,86m, passou os dois últimos anos lutando contra lesões e polêmicas extra-quadra. Uma das maiores promessas recentes do vôlei brasileiro, era nome cotado para Tóquio-2020 no início do ciclo olímpico, mas agora deixou claro que se recuperar mental e fisicamente é a prioridade na sua carreira. Criada nas categorias de base do Fluminense e no Sesc RJ desde 2015, é bicampeã da Superliga com o time de Bernardinho, tricampeã Sul-Americana de Clubes, MVP do Sul-Americano Juvenil 2014, um dos destaques da Seleção Brasileira Sub-23, Campeã Mundial em 2017. No mesmo ano, teve sua primeira convocação para a Seleção adulta e despontava como destaque no novo ciclo olímpico para Tóquio.

Drussyla usou as redes sociais para se pronunciar para acabar com as “fofocas”. Disse que não vai parar de jogar vôlei, nem sair do Sesc e que ama o que faz. Revelou que tem feito tratamento para depressão e ansiedade há um ano, disse que 2020 foi difícil, mas também um ano de muito aprendizado. E pediu para ser respeitada por expor suas opiniões publicamente. 

- Nesses últimos tempos tem muita gente falando de mim. Eu gostaria muito de dar uma explicação para as pessoas que me seguem e que querem o meu bem, os meus amigos que me acompanham por aqui. E decidi falar. Eu tomei essa decisão de vir aqui, por mais que tenham pessoas perto de mim que não gostem, uma das coisas que eu aprendi em 2020 e que eu tenho aprendido na terapia que eu tenho de resolver os meus problemas e as pessoas que resolvam os delas. A decisão que eu tomei para mim de me expor mais, de dar o meu ponto de vista sobre as coisas que eu vivi e falar das minhas experiências é minha. Eu gosto e compartilhar. Tem gente que fala bem e tem gente que fala mal. Eu sei diferenciar o que é bom e o que não é bom pra mim, de pessoas próximas e de pessoas que não são próximas - comentou.