Zé Ricardo - Vasco

Vasco acumula quatro empates nas cinco primeiras rodadas da Série B (Foto: Rafael Ribeiro/Vasco)

Matheus Guimarães
05/05/2022
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

A 777 Partners tem até o dia 21 de maio para apresentar a proposta vinculante para a compra da SAF do Vasco. Com a iminente venda do futebol do clube, Zé Ricardo corre o risco de perder o cargo, caso o desempenho da equipe continue o mesmo, uma vez que a empresa norte-americana tem um histórico de demitir treinadores ao assumirem o comando nos clubes.

+ Confira a tabela da Série B

+ GALERIA: Veja 25 técnicos estrangeiros livres no mercado

Os americanos são acionistas majoritários de dois times pelo mundo, o Genoa, da Itália, e o Standard Liège, da Bélgica. Além disso, estão perto de adquirirem 70% do futebol do Vasco e 100% do Red Star, na França.

+ Com inclusão da SAF no estatuto, Vasco aguarda proposta da 777 Partners; confira próximos passos

Quando assumiram o time italiano, a primeira mudança foi a troca do presidente. O nome escolhido foi o do médico Alberto Zangrillo, doutor particular de Silvio Berlusconi, que é um torcedor fanático do clube e conhecido na Europa.

No departamento de futebol promoveram as chegadas do alemão Johannes Spors, ex-chefe de scout do Red Bull Leipzig. Além do técnico alemão Alexandre Blessin.

Na Bélgica, o cenário não foi diferente e o ato foi repetido ao demitirem o treinador Luka Elsner. No momento, quem comanda o Standard Liège é o auxiliar William Still de forma interina.

Evidentemente, o futuro do futebol do Cruz-Maltino será revelado quando a 777 Partners adquirir 70% do futebol. Porém, se o Vasco não começar a apresentar resultados e uma boa performance, as chances do técnico Zé Ricardo permanecer, com a entrada dos americanos, são mínimas.

Inclusive, segundo o portal 'Uol', o presidente Jorge Salgado está sofrendo pressão interna e externa para demitir o treinador. Mas o dirigente não quer efetuar mudanças antes de passar o bastão para a empresa.   

Por fim, vale destacar que, Cruzeiro e Botafogo também demitiram seus técnicos (Luxemburgo e Enderson Moreira, respectivamente)  depois que seus sócios majoritários começaram a comandar.