Akexandre Campello

Site oficial do Vasco apontou necessidade de confirmação presencial e gerou indignação (Reprodução)

LANCE!
05/09/2020
14:30
Rio de Janeiro (RJ)

A exigência de que os sócios realizassem presencialmente a impugnação da lista de votantes da eleição presidencial do Vasco acabou culminando em uma grande fila em São Januário neste sábado. De acordo com o UOL, mesmo em meio à pandemia do novo coronavírus, havia presença de idosos na fila de espera da secretaria do Cruz-Maltino.

Há reclamação de que a conduta da presidência torna difícil que o associado que vive fora do Rio de Janeiro possa entrar com o recurso. Há a exigência de que os documentos sejam feitos pelo próprio punho do sócio.

O sócio-estatutário Nando Bastos divulgou no Twitter a cena de um associado tendo de subir até a secretaria do Vasco.


A Junta Deliberativa tem 7.981 sócios aptos a participarem do pleito eleitoral. Entretanto, há uma série de associados que afirmam que seus nomes foram excluídos, mesmo com pagamentos em dia e seguindo as regras do estatuto. 

Faues Cherene Jassus, o "Mussa", foi o único integrante da Junta Eleitoral que se recusou a assinar a lista, por discordar do que era debatido nas reuniões do órgão. A eleição do Cruz-Maltino ocorre na segunda quinzena de novembro.

A vice-presidência de comunicação do Vasco não havia se comunicado com o UOL até o momento.

CORRENTES POLÍTICAS DO VASCO SE MANIFESTAM

Vice-presidente do Conselho Deliberativo, Sergio Romay se manifestou sobre o assunto.

- Quem comanda esse processo é o presidente da Assembleia Geral. A comissão de recursos, que é formada pelo presidente da Assembleia Geral e pelos três membros do Conselho Geral é que vão julgar. É a Comissão Geral. Mas quem comanda é ele! E essa comissão é intimamente ligada a esse recurso e ele que comanda esse processo. Eu acho que podia ser todo pela Internet, para evitar a presença de sócios no clube, evitar a presença de pessoas idosas, mas quem comanda é o presidente da Assembleia Geral - disse, ao LANCE!.

Em nota divulgada à reportagem, a Sempre Vasco também se manifestou sobre o tema.

"A Sempre Vasco considera um absurdo o que está acontecendo em São Januário. Um desrespeito ao vascaíno. A Sempre Vasco acredita que existem maneiras mais modernas para proporcionar segurança e conforto ao sócio em uma situação como essa. Esse processo desgastante nada mais é que uma manobra politica para dificultar o direito do sócio de exercer o seu direito democrático de voto".

Via Twitter, Leven Siano, da "Vai Dar Vasco" afirmou:

"Sócios que não estão na lista e precisarem de ajuda fizemos um recurso padrão para vocês. Estamos ao dispor".

O empresário Jorge Salgado, do grupo Mais Vasco, também faz críticas à atitude da diretoria do Cruz-Maltino. 

- Eliminaram da lista sócios que pagaram pela anistia, que estavam habilitados a votarem graças ao edital. Outros sócios foram excluídos sem nenhum motivo aparente. Temos de brigar pelo Vasco, para ver se o clube toma jeito, vai para a direção certa - afirmou.

O grupo também diz "já ter recurso pronto" para o sócio com direito a voto mas que não está na lista do clube.

*Atualizada às 14h54.