Naomi Osaka se defende na semifinal do US Open

USTA

Tênis News
10/09/2020
22:32
Nova York

A japonesa ex-número 1 do mundo e atual nona, Naomi Osaka, sofreu diante da norte-americana Jennifer Brady, 41ª, mas se garantiu na final do US Open pela segunda vez na carreira. Osaka aguarda pela definição entre Serena Williams e Victoria Azarenka.

Foi sob o teto da Arthur Ashe fechado, em razão da previsão de chuva em Nova York, que Osaka encarou uma batalha de 2h08 para fechar o placar em 7/6 (1) 3/6 6/3 diante de uma rival que aceitou o desafio de jogar agressiva, trabalhar muito forte com o saque e tomar a iniciativa da jogada.

Ao fim do jogo, a japonesa, cabeça de chave quatro, terminou com nove aces, 17 erros não-forçados e 35 bolas vencedoras contra 10 aces de Brady, 25 bolas vencedoras e 35 erros não-forçados. Números que representam o equilíbrio da partida, que foi aberta com um primeiro set muito equilibrado, marcado por um único breakpoint, no sétimo game em um erro de backhand e salvo por Osaka.

O jogo seguiu e no tiebreak, a japonesa mostrou-se mais calma e colocou a experiência em quadra para dominar Brady, que teve muitas dificuldades de devolver seu saque.

O equilíbrio se manteve na etapa seguinte e Osaka trabalhou mal com segundo-serviço e viu a norte-americana trabalhar com forehand cruzado para conquistar a quebra no oitavo game, a única chance de quebra da parcial, e empatou o jogo.

No set decisivo, Osaka passou a arriscar ainda mais, entrar em quadra e tentar forçar os erros da norte-americana. A tática deu certo e a japonesa conquistou a quebra com bela devolução no quarto game. Confiante, Osaka seguiu pressionando e Brady precisou salvar três breakpoints no sexto game e se segurou para que a rival definisse sua ida à final.

Campeã do US Open 2018, Osaka está em sua terceira final do Grand Slam e aguarda pela vencedora da partida entre Serena Williams e a bielorrussa Victoria Azarenka. A japonesa venceu suas duas finais de Slam anteriores, sendo campeã em Nova York superando Serena em uma partida polêmica e também do Australian Open 2019 superando a tcheca Petra Kvitova.