José Carlos Peres

José Carlos Peres foi eleito presidente do Santos no fim de 2017 (Foto: Ivan Storti/Santos)

LANCE!
08/07/2020
06:00
Santos (SP)

Em seu último ano de mandato à frente do Santos, o presidente do Peixe, José Carlos Peres, mantém o discurso de que não tentará a reeleição para o próximo triênio. Contudo, a autoavaliação que ele faz da sua gestão é positiva,

– Não tenho pretensão em concorrer e nem definir se indicarei alguém ou se ajudarei a todos. O importante é que o Santos tenha uma sucessão boa, que todos fiquem no mesmo caminho – disse Peres em entrevista à ESPN Brasil.

– Fiz duas temporadas boas, ano passado tivemos um superavit de 23,5 milhões de reais – acrescentou.

Em uma avaliação profunda, o presidente santista citou as dificuldades que teve em 2018, ano em que assumiu, mas relembra com carinho o vice-campeonato brasileiro no ano passado, mesmo com o orçamento amplamente inferior aos seus concorrentes do pelotão superior da tabela. Outra conquista mencionada por Peres foi a profissionalização de diversas áreas do clube.

– A maior dificuldade, eu tive uma dificuldade grande em 2018. Concorremos com vários grupos políticos. A gente profissionalizou diversas áreas do clube, diminuímos os funcionários. Adequamos o clube, você vai nas áreas e vê pessoas com carreiras, ninguém está indicado. Houve bombardeio no começo por não ter indicação – pontuou o mandatário do Alvinegro Praiano.

– 2019 foi bom, trouxemos o Sampaoli, fomos a sensação, terminamos como vice no Brasileirão. Fomos elogiados até por rivais. Terminamos em segundo lugar sendo tendo somente o 10º investimento do país – concluiu.

Contudo, um problema amplamente mencionado por Peres em entrevista foi a atuação da oposição do clube que, de acordo com o seu diagnóstico, é ampla e sempre “vai arrumar maneira para achar o erro.

– Tem muita oposição. Tenho 71 anos e não quero disputar uma guerra. Tem muita dívida, isso complica. O teu investimento fica pequeno, tem oposição que vai criticar, tem sempre aquela que vai arrumar maneira para achar erro – afirmou.

Caso Peres confirme que não tentará a reeleição, os principais nomes cotados para serem lançados pela situação são dos integrantes do Comitê de Gestor, Matheus Rodrigues e Pedro Doria. Entre os gestores, a dupla é a mais próxima a Peres e quem geralmente representam o clube em eventos que o presidente está impossibilitado a ir.