Soteldo Santos

Huachipato (CHI) acusa Santos de não ter pago pela contratação de Soteldo (Foto: Ivan Storti/Santos FC)

Fábio Lázaro
05/08/2020
16:00
Santos (SP)

O Santos pode ser alvo de uma mais uma punição na Fifa. Proibido pela entidade de registrar novos jogadores desde março, por conta de uma dívida de 4,1 milhões de euros (R$ 25,8 mi na cotação atual), por não ter pago o Hamburgo (ALE) pela contratação do zagueiro Cléber Reis, em 2017, ainda na gestão do ex-presidente Modesto Roma Júnior, o clube agora é alvo do Huachipato (CHI), que alega que o Peixe não pagou 3,5 milhões de dólares (R$ 18 mi no câmbio) na contratação do atacante Soteldo, em 2019.

– Além da condenação financeira, a decisão também declara que o não pagamento levará o clube a ser proibido de contratar novos jogadores pelo prazos de até três janelas de transferência. Como não houve o pagamento da dívida no prazo fixado, solicitamos à Fifa que implemente a punição de proibir o clube de contratar novos jogadores A– disse Eduardo Carlezzo, advogado que representa a equipe chilena, ao “GE”.

Embasado na declaração do representante jurídico do Huachipato, o advogado especializado em Direito Desportivo, Rafael Cobra, explicou os processos no qual o procedimento passou e o que a Fifa deve fazer em cima da sanção mencionada.

– Ao que consta, o processo foi julgado no CAS (Corte Arbitral do Esporte), em meados em junho, e ele concedeu o prazo de 45 dias para o pagamento dos valores devidos, sob pena de, não o fazendo, o Santos ser punido com a proibição de transferências de atletas por três janelas seguidas de transferência – disse Cobra com exclusividade ao LANCE!.

O presidente da Comissão de Direito Desportivo pela OAB-Santos, no entanto, esclarece que, caso a sentença seja confirmada, não significa que o Peixe ficará impossibilidade de contratar novos jogadores por três anos, vide que a cada ano ocorrem duas janelas de transferências.

– Nós temos duas janelas de transferência por ano, seria as três próximas janelas de transferência por ano, o que em termos práticos daria um ano e meio de proibição de registro de atletas. São essas as informações baseadas no relato do noticiário e as palavras externadas pelo advogado do Huachipato – completou.

Oficialmente, o Santos afirma não ter sido comunicado por novas punições e o caso segue com o Departamento Jurídico do clube.